Você está lendo:
Advogado afirma que Eduardo Cunha responderá todas as perguntas de Sérgio Moro

Advogado afirma que Eduardo Cunha responderá todas as perguntas de Sérgio Moro

O deputado cassado Eduardo Cunha vai ser interrogado nesta terça-feira, às três horas da tarde, pelo juiz federal Sérgio Moro, em Curitiba. Ele é acusado de receber propina no valor de cinco milhões de reais em contrato para a compra de um campo de petróleo, na África e de usar contas na Suíça para lavar dinheiro. O advogado de Cunha,Marlus Arns de Oliveira, fala da importância do interrogatório e qual será a estratégia utilizada nesta tarde.
Advogado de Eduardo Cunha, Marlus Arns de Oliveira

“O interrogatório é um ato importante da defesa, é o momento em que o denunciado tem o direito de olhar nos olhos do juiz do Ministério Público e esclarecer a verdade dos fatos. Então a nossa orientação, ao nosso cliente Eduardo Cunha, foi de que respondesse todas as perguntas do juiz do Ministério Público. Esta é a estratégia que será utilizada hoje tarde. Ele pretende esclarecer todos os fatos dos quais ele é acusado e responder todas as perguntas que o juiz do Ministério Público fizer a ele”.
Eduardo Cunha está preso desde 19 de outubro do ano passado. Primeiramente ele ficou na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba e em dezembro, ele foi transferido para o Complexo Médico Penal, em Pinhais, região metropolitana da capital paraense. Ao ser questionado se há previsão para que Eduardo Cunha faça uma delação premiada, o advogado disse que, até o momento, não há tratativa referente à esta colaboração.
Advogado de Eduardo Cunha, Marlus Arns de Oliveira
“Não houve nenhuma tratativa entre a defesa e o Ministério Público. Tampouco houve qualquer oferta do Ministério Público para o início de uma negociação e não existe nenhuma tratativa neste sentido”.
Segundoo advogado Marlus Arns de Oliveira, Eduardo Cunha está preparado para o interrogatório e vai responder todas as perguntas feitas por Sérgio Moro.
Advogado de Eduardo Cunha, Marlus Arns de Oliveira 
“Ele conhece o processo, conhece os fatos que ele é acusado e está preparado para responder as perguntas. Responderá todas as perguntas para esclarecer os fatos”.
Segundo o Ministério Público Federal, a prisão preventiva dele deve-se pelo fato de existir evidências que ele tem contas no exterior que ainda não foram identificadas e isto poderia colocar em risco as investigações. O processo contra ele foi aberto pelo Supremo Tribunal Federal, mas depois da cassação do seu mandato, ele perdeu o foro privilegiado. Agora, o caso está nas mãos de Sérgio Moro.