Você está lendo:
Bancos privados e BB encerram greve; só a Caixa continua

Bancos privados e BB encerram greve; só a Caixa continua

Os empregados da Caixa realizarão hoje uma assembleia de avaliação de greve, na sede do sindicato, a partir das 17 horas

A greve dos bancários do Banco do Brasil e dos bancos privados terminou na noite de segunda-feira (6), após votação em assembleia-geral, realizada no auditório do Sindicato dos Bancários de Mato Grosso, em Cuiabá.

Somente os empregados da Caixa rejeitaram a proposta específica e a greve continua por tempo indeterminado em todo o Estado.

A greve dos bancários teve início no dia 30 de setembro e fechou 224 agências, em uma semana de paralisação das atividades.

A partir desta terça-feira (7), a movimentação volta à normalidade nos bancos privados e no Banco do Brasil.

Os empregados da Caixa realizarão hoje uma assembleia de avaliação de greve, na sede do sindicato, a partir das 17 horas.

Propostas aprovadas

A Fenaban aumentou o índice de reajuste de 7,35% para 8,5% (aumento real de 2,02%) nos salários e demais verbas salariais, de 8% para 9% (2,49% acima da inflação) nos pisos e 12,2% no vale-refeição.

Os bancos incluirão também na Convenção Coletiva o compromisso de que “o monitoramento de resultados ocorra com equilíbrio, respeito e de forma positiva para prevenir conflitos nas relações de trabalho”.

Segundo o sindicato, trata-se de mais um passo no combate às metas abusivas, que tem provocado adoecimento e afastamento de bancários.

Na questão da igualdade de oportunidades, o Banco do Brasil apresentou uma correção em relação à pontuação de mérito dos delegados sindicais, o banco também apresentou a proposta de corrigir a PLR dos dirigentes sindicais que recebem menos que seus pares com o mesmo cargo.

São contemplados os dirigentes cedidos para as entidades que detinham cargo comissionado à época da cessão e a fórmula segue a regra do acordo dos demais funcionários.

O BB era o único banco que pagava PLR menor para os dirigentes sindicais.

Greve na Caixa

Após a rejeição da proposta, os empregados da Caixa se mobilizaram para reforçar o oitavo dia de greve hoje.

As agências continuarão adesivadas e haverá diálogo com a população sobre os motivos da continuação do movimento reivindicatório.

Uma das principais queixas dos empregados se refere à isonomia dos trabalhadores.

De acordo com os bancários, a Caixa não realiza tratamento igualitário.

Exemplo disso são bancários que fazem os mesmos serviços, mas, são remunerados de forma diferenciada.

 

Tem algo a dizer sobre essa matéria?