Você está lendo:
BRECHA JURÍDICA: PMDB investe em “medalhões” e assedia Maggi e Medeiros

BRECHA JURÍDICA: PMDB investe em “medalhões” e assedia Maggi e Medeiros

Senadores já receberam convites para migrar para a sigla; meta é fortalecimento para as eleições

O PMDB em Mato Grosso está investindo pesado na tentativa de se fortalecer para os próximos pleitos eleitorais. As demonstrações mais recentes são os convites de filiação que a sigla fez a dois senadores por Mato Grosso – Blairo Maggi (PR) e José Medeiros (PPS).

A investida ocorreu assim que o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu derrubar a regra de perda do mandato para cargos do sistema majoritário de eleição, como prefeito, governador, senador e presidente da República.

A mudança dá liberdade para gestores que ocupam esses cargos possam trocar de partido sem serem penalizados por ações de infidelidade partidária.

O presidente do PMDB em Mato Grosso, deputado federal Carlos Bezerra, já teria, inclusive, conversado com os senadores Maggi e Medeiros para formalizar o convite.

Em entrevistas recentes, Maggi já deu sinais de que deve deixar o PR e, com a decisão do STF, ele tende a concretizar a sua saída.

Ele próprio já afirmou também que tem uma preferência pelo PMDB, caso opte por trocar de partido, e tem mantido conversas com líderes peemedebistas.

Bruno Cidade/MidiaNews

O senador José Medeiros, que pode trocar o PPS pelo PMDB

Estreante no Senado Federal, José Medeiros também foi assediado por Carlos Bezerra.

Medeiros, que tem se notabilizado pela postura independente no exercício do mandato, também já foi procurado por outras lideranças nacionais do PMDB, como o vice-presidente da República, Michel Temer, e o presidente do Senado, Renan Calheiros.

Até o momento, contudo, Medeiros ainda não se posicionou sobre uma eventual mudança de sigla. Mesmo porque, o partido ao qual ele é filiado, o PPS, está prestes a fundir com o PSB.

As duas siglas compõem a base de apoio ao governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PDT), de quem Medeiros foi suplente no Senado.

Caso opte por mudar para o PMDB, Medeiros estaria indo para o partido que é oposição ao Governo Taques.

Debandada no PSD

Com um grande perfil articulador, o deputado Carlos Bezerra também aproveitou o momento de crise pelo qual passa o PSD para tentar cooptar novos filiados ao PMDB.

É o caso, por exemplo, da deputada estadual Janaina Riva (PSD), que teve a segunda maior votação no Estado, nas últimas eleições.

Tony Ribeiro/MidiaNews

A deputada Janaina Riva também recebeu convite para migrar para o PMDB

Nos últimos dias, Janaina recebeu um convite de filiação de Carlos Bezerra.

O cacique ofereceu à parlamentar a “posição estratégica” dentro do PMDB e autoridade para participar na construção dos diretórios municipais, visando às eleições de 2016.

O convite feito a deputada foi estendido a demais prefeitos do PSD, que estão descontentes com o andamento das articulações do partido.

Em entrevista ao MidiaNews, Janaina já afirmou que a proposta poderá ser aceita, caso ela e os 36 prefeitos que pertencem ao PSD não consigam participar do processo de escolha do próximo presidente regional da legenda.

Cuiabá 2016

Enquanto aguarda possíveis novas filiações, Carlos Bezerra já trabalha o nome do ex-juiz federal Julier Sebastião para a disputa das eleições municipais de 2016.

Julier, provavelmente, será o candidato do partido na disputa pela Prefeitura de Cuiabá.

Ao MidiaNews, Bezerra já afirmou que Julier tem “um grande poder de articulação e debate” e dará trabalho ao prefeito Mauro Mendes (PSB), na disputa ao Alencastro.

Ainda segundo ele, a presença de nomes como os de Julier e do ex-vereador da Capital, o médico Lúdio Cabral (PT), fará com que a disputa seja levada ao segundo turno.

“Em Cuiabá, teremos dois turnos, com toda a certeza. Acho, inclusive, que a eleição em dois turnos é o correto. Vamos ter um debate de alto nível, a oposição com três candidatos desse nível fará desta a eleição mais acirrada que a Capital já teve”, comentou o presidente do PMDB, recentemente.

 

FONTE: CAMILA RIBEIRO/MÍDIA NEWS

Tem algo a dizer sobre essa matéria?