Você está lendo:
Câmara tem audiências públicas durante a semana para discutir Reforma Trabalhista

Câmara tem audiências públicas durante a semana para discutir Reforma Trabalhista

As discussões sobre a reforma trabalhista continuam a todo vapor na Câmara dos Deputados. Nesta quarta-feira (15) à tarde, a Comissão Especial que analisa a reforma vai discutir o Teletrabalho e a possibilidade de regularizar as ocupações exercidas em casa.
De acordo com o relator da Reforma, o deputado Rogério Marinho, do PSDB do Rio Grande do Norte, o exercício do Teletrabalho é um dos pontos da reforma que mostra que a legislação trabalhista precisa ser modernizada.
Rogério Marinho, deputado pelo PSDB do Rio Grande do Norte
“Naquela época o Brasil era agrário com a perspectiva de se industrializar. Hoje, nós já estamos transcendendo a questão dos serviços indo para uma quarta onda do emprego que é o trabalho intelectual, que é o trabalho remoto, o trabalho em casa, o Uber, que é uma discussão do nosso tempo, o espírito do nosso tempo nos impõe a necessidade de nós adaptarmos a nossa legislação”.
Já o deputado Wadih Damous, do PT do Rio de Janeiro, avalia que a Reforma precisa ser discutida com muito cuidado, pois pode afetar os fundamentos da legislação trabalhista.
Wadih Damous, deputado pelo PT do Rio de Janeiro
“Nós estamos debatendo aqui algo que se for aprovado substancialmente mexe como um terremoto nos fundamentos da legislação trabalhista, então isso aqui é uma Casa não só de deliberação, mas também de debate, acho que um projeto como esse não deve ser levado à toque de caixa, então quanto mais possibilidades de debates, de ouvir pessoas de fora, ouvir especialistas, ouvir juízes, ouvir trabalhadores, ouvir empresários, ouvir procuradores, enfim, acho que ou se rejeita isso tudo ou pode sair algo aceitável daqui”.
A proposta de Reforma Trabalhista prevê que os trabalhadores possam negociar uma jornada flexível de trabalho, tenham a possibilidade de trabalhar de casa quando preciso, possam trabalhar mais horas na semana para negociar um dia a mais de descanso, entre outras coisas. Na quinta-feira (16), os parlamentares seguem com discussão sobre a Reforma, no período da manhã.