Você está lendo:
Candidatos ao Governo priorizam Interior e prometem menos "baixaria"
0

Candidatos ao Governo priorizam Interior e prometem menos "baixaria"

by newsmtsetembro 22, 2014

A 13 dias da eleição, o cenário político em MT ainda é incerto; segundo turno seria uma tendência

A 13 dias da eleição, os candidatos ao Governo de Mato Grosso focam suas campanhas em regiões pólo do Estado, com o objetivo de massificar seus nomes.

À exceção de José Marcondes Muvuca (PHS), que afirmou permanecer na Baixada Cuiabana, Pedro Taques (PDT), Lúdio Cabral (PT), Janete Riva (PSD) e José Roberto (PSOL) cumprirão agendas no interior, mesclando com a área metropolitana da Grande Cuiabá, principalmente para a gravação de programas eleitorais e os próximos debates.

“Para mim, são duas questões: uma é o aporte financeiro, que falta em nossa campanha, e outra é que a Baixada Cuiabana é o maior colégio eleitoral de Mato Grosso. Por isso mesmo, a estratégia é intensificar o corpo a corpo para que também o número do PHS, 31, fique mais conhecido. Essa é a primeira eleição que a sigla concorre na majoritária”, explicou Muvuca.

Para o programa eleitoral, o candidato afirmou que continuará com uma campanha propositiva, mas o que considerou “ataques”, não ficarão sem resposta.

“A minha linha na TV continua: uma campanha alegre, pra cima, dizendo a verdade. Sempre dizendo a verdade. Na semana que passou, respondi apenas aos ataques do senador Pedro Taques, que, sorrateiramente, tirou meu programa do ar. Eu tinha que dar a resposta. Mas, fora isso, não vou mudar a estratégia na TV”, disse.

Tony Ribeiro/MidiaNews

Muvuca: “A minha linha na TV continua: uma campanha alegre, pra cima, dizendo a verdade. Sempre dizendo a verdade”

A “carta na manga” para a última semana antes da eleição, segundo Muvuca, é a presença da candidata à Presidência da República, Marina Silva (PSB).

“Fui até São Paulo gravar programa eleitoral com ela e ela vai aparecer na última semana, para nos apoiar”, completou.

Agenda definida 

Com uma arrecadação de R$ 11,2 milhões, o senador Pedro Taques (PDT) tem uma agenda “praticamente definida” até o dia da eleição, segundo Gustavo Vandoni, consultor político e membro da equipe de marketing do parlamentar.

“A agenda contempla algumas cidades do interior, reuniões com lideranças e também um pouco na Capital, onde ele gravará programas e participará dos debates. A agenda, até o dia da eleição, está praticamente definida”, disse Vandoni.

“A agenda do senador Pedro Taques, até o dia da eleição, está praticamente definida”

Com relação aos programas eleitorais, a proposta deverá se manter – inclusive, as respostas ao que também considerou “ataques” ao senador.

“Desde o início, nossa ideia era fazer um trabalho de apresentação, não só do candidato, de sua vida como procurador e senador, mas também a pessoa que é, origem, família, amigos… Isso, conseguimos mostrar. Ele já se tornou conhecido. Agora, não dá para planejar e saber sobre os ataques. Continuaremos desmentindo boatos e calúnias”, afirmou.

Com relação aos debates, Taques comparecerá a todos e manterá sua postura, segundo Vandoni.

“O Pedro Taques não é alguém que se consiga mudar a personalidade com consultoria de marketing. Tem personalidade muito forte, uma postura combativa e não vai mudar. Não temos esse poder e nem é o que a gente quer. O que existe é um ataque orquestrado, percebemos esse ataque direto nos debates, mas ele se manterá como sempre”, completou.

Ajuda das bases 

Tony Ribeiro/MidiaNews

Lúdio dividiu tarefas com vice, Teté Bezerra, candidato ao Senado, Fagundes, e esposa, Ana Regina

Com campanhas mais “franciscanas”, se comparadas com a de Pedro Taques (PDT), José Roberto (PSOL), que arrecadou R$ 95.712,41, Lúdio Cabral (PT), que arrecadou até o momento R$ 304.154,66, e Janete Riva (PSD) – ainda não constam valores – também reforçarão suas campanhas no interior.

No caso do PSOL, a assessoria de José Roberto informou que as principais cidades de cada região devem ser visitadas.

Com relação aos programas eleitorais, eles continuam com a presença do Procurador Mauro, maior expoente do partido em Mato Grosso e candidato a deputado federal.

Nos debates, a expectativa é de que algumas “adequações” sejam feitas, porém o PSOL não informou quais serão elas.

Lúdio também terá agenda focada no interior, porém com vindas à Baixada Cuiabana.

“Nossa estratégia também tem sido dividir as atividades nessa reta final. Enquanto eu vou para uma região, a Teté Bezerra [candidata a vice-governadora] vai para outra, Wellington Fagundes [candidato ao Senado] para outra e minha esposa Ana Regina também, para outra”, disse.

Candidato apoiado pelo governador Silval Barbosa (PMDB), Lúdio não afirmou se o chefe do Executivo vai aparecer em seu programa eleitoral, que já conta com a “presença” da presidente Dilma Rousseff (PT) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Os últimos dois são aguardados em Mato Grosso e, mesmo com menos de 15 dias para o fim da campanha, ainda não confirmaram a possibilidade de vir.

Na TV, Lúdio explicou que ataques dos adversários “não serão deixados de lado”, mas que ainda tem como estratégia mostrar o programa de governo.

No caso de Janete, que substituiu o deputado José Riva (PSD), a agenda é extensa.

Assessoria

Com menos tempo, Janete tem agenda apertada para se fortalecer

Ao MidiaNews, o parlamentar, agora coordenador-geral da campanha, afirmou que a estratégia é levar a esposa para o segundo turno.

“Temos foco nos pólos: Cuiabá, Várzea Grande, Tangará da Serra, Barra do Garças, Cáceres, Rondonópolis… todas as cidades. Naquelas onde não pudermos ir, terá uma equipe menor percorrendo, marcando presença. Nossa estratégia é exatamente ter companheiros para mostrar Janete”, disse.

Para Riva, não há dúvidas de que a candidata estará no segundo turno. “Não sei contra quem, mas essa eleição já é de segundo turno e com certeza ela estará nele”, afirmou.

A respeito das propagandas eleitorais e da postura da esposa nos debates – até agora, Janete não participou de nenhum –, a técnica será a mesma utilizada durante a campanha de José Riva.

“Vamos propor, mas ataques têm que ser respondidos. Se não responde, pode virar verdade. Quando as pessoas falam de baixaria, é preciso analisar quem é que começou. Nós nunca atiramos a primeira pedra”, completou o deputado.

Debates 

Os candidatos ao Governo de Mato Grosso se enfrentarão ainda em três debates.

Na próxima sexta-feira (26), a TV Record (Canal 10), do Grupo Gazeta, terá o seu segundo debate, marcado para às 21h30.

No domingo (28), a partir das 20h, é a vez do segundo debate da TV Brasil Oeste (RedeTV!/Canal 8).

O último debate será no dia 30 de setembro, na TV Centro América (Rede Globo/Canal 4), ainda sem horário definido.

 

About The Author
newsmt

Tem algo a dizer sobre essa matéria?