Menu
Seções
Clima seco favorece ataque de lagartas em lavouras de Nova Ubiratã
dezembro 2, 2015 Agricultura

Em Nova Ubiratã, a falta de chuvas está prejudicando a germinação da soja, cenário bem diferente do apresentado no ano passado, quando o plantio já estava finalizado nesta época. Só que a preocupação tem um motivo extra: o aparecimento de lagartas. Muitos produtores já estão fazendo a aplicação de inseticidas, gastando mais do que o esperado.

– Fazer uma aplicação assim tão cedo eu não esperava, porque nos outros anos a gente não precisou fazer tão rápido. A gente já faz um tratamento de semente para não ter essa pressão tão cedo, mas conforme falta chuva, o tratamento não segurou essa pressão da lagarta – comenta o produtor rural Fábio Luiz Bratz.

Muitas plantas já estão danificadas pelo ataque das lagartas. A Helicoverpa armigera foi encontrada na lavoura e a recomendação ao produtor foi de um controle imediato.

– A lagarta é um inseto que destrói as folhas, ela diminui a área verde da planta, a área da fotossíntese. A gente não conseguiu quantificar ainda se vamos ter um prejuízo ou não, mas estamos preocupados com o ataque de pragas. Por isso, nós estamos já adiantando a aplicação para evitar danos futuros – explica o agrônomo Fabrício Scarpellini.

O consultor técnico do Soja Brasil, Áureo Lantmann alerta o agricultor para o uso excessivo de defensivos. O recomendado pela pesquisa é aplica somente quando a praga acumular perdas na lavoura.

– O produtor tem que maximizar o uso dos inseticidas, ele tem que escolher o inseticida, a dose e o momento de aplicar. Se ele realizar muito cedo, ele vai ter que repetir. O momento ideal é quando o produtor notar perdas reais com a pragas, quando comprometer o rendimento – orienta Lantmann.

Clima

O produtor Fábio Bratz sente os efeitos do clima irregulares deste ano. Na lavoura dele, mais de 800 hectares não foram semeados. E a área que foi cultivada, o produtor vai ter que replantar.

– Estou aqui desde 1986 em Mato Grosso e eu nunca vi um ano tão seco assim como este ano. O clima não está favorável, as previsões mostram que vem chuva, mas não chove. Está bem complicado – lamenta o agricultor.

O presidente do Sindicato Rural do município, Albino Castilho Ruiz, relata que ainda falta, pelo menos, 10% da área ser cultivada.

– Estamos vendo bastante replantio, produtor que está no terceiro plantio. No nosso município ainda falta plantar por causa da chuva. Tem vezes que chove de 20 a 30 mm, mas depois não cai mais nada – comenta Ruiz.

Fonte: Redação com Soja Brasil

Comentários estão fechados
*