Você está lendo:
Desemprego fica em 8,1% no trimestre até maio, diz IBGE
0

Desemprego fica em 8,1% no trimestre até maio, diz IBGE

by newsmtjulho 9, 2015

Foi a maior taxa de desocupação para um trimestre até maio desde 2012.

A taxa de desemprego subiu nos últimos três meses até maio deste ano e chegou a 8,1%, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O índice está acima do registrado no mesmo trimestre do ano anterior (7%) e supera ainda a do trimestre encerrado em fevereiro (7,4%), que são as bases de comparação. No trimestre encerrado em março a taxa foi de 7,9%, e em abril, de 8%.

Foi a maior taxa de desocupação para um trimestre de março a maio desde 2012, segundo o IBGE.

Havia 8,2 milhões de pessoas de 14 anos ou mais idade desocupadas no país, na semana em que foi feita a pesquisa, informou o IBGE.

“Esta estimativa era de 7,4 milhões no trimestre terminado em fevereiro, apontando aumento de 756 mil pessoas, ou seja, 10,2% que não estavam ocupadas e procuraram trabalho”, analisou o IBGE.

Em um ano, o contingente de desocupados cresceu 1,3 milhão, ou seja, 18,4%, informou o instituto.

“Foi a maior variação [aumento de 18,4% da desocupação no ano] da série [iniciada no primeiro trimestre de 2012] para este período de comparação”, informou o IBGE.

Segundo Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, o aumento de 10,2% da desocupação, em comparação ao trimestre terminado em fevereiro, também foi o aumento mais intenso do que o observado em anos anteriores para o período analisado.

Os números fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, que substitui a tradicional Pnad anual e a Pesquisa Mensal de Emprego (PME). São investigados 3.464 municípios e aproximadamente 210 mil domicílios em um trimestre, informou o coordenador do IBGE.

O nível de ocupação das pessoas com 14 anos ou mais, na semana da pesquisa, foi estimado em 56,2%, uma retração de 0,2% em comparação com o trimestre de dezembro a fevereiro de 2015. Em um ano, a queda foi de 0,7%.

O número de pessoas ocupadas foi estimado em 92,1 milhões, e “foi considerado estável em ambos os trimestres em análise”. Contudo, na comparação anual, o IBGE ressaltou que “foi a menor geração de postos de trabalho da série”.

Fonte: Do G1

About The Author
newsmt