Você está lendo:
DIVERSIDADE SEXUAL: Parada Gay em Cuiabá reúne público abaixo da expectativa
0

DIVERSIDADE SEXUAL: Parada Gay em Cuiabá reúne público abaixo da expectativa

by newsmtnovembro 29, 2014

Grupo LGBT protestou contra o preconceito e a homofobia em Mato Grosso

A 12ª Parada da Diversidade Sexual de Cuiabá aconteceu debaixo de chuva e com um número de participantes bem abaixo do esperado pela organização.

Das 10 mil pessoas esperadas, apenas duas mil compareceram ao evento e, dentre estes, 600 acompanharam a passeata até o fim.

Apesar do pouco público, o tema deste ano, “Não Queremos Nada Demais”, foi defendido pelo forte som de três trios elétricos para quase três mil pessoas.

A concentração aconteceu na Praça Ipiranga, a partir das 14 horas.

Clóvis Arantes, coordenador do evento por 12 anos, levantou discussões sobre temas como casamento gay e lésbico, violência contra os homossexuais e crimes que ainda não foram solucionados.

Tony Ribeiro/MidiaNews

“Hoje Mato Grosso é o segundo estado que mais mata homossexual e ninguém faz nada”, disse Clóvis Arantes

Ele aproveitou o discurso para mandar um recado direto às autoridades do Estado, sob fortes aplausos do públicos presente.

“Temos crimes contra gays que jamais foram desvendados. Hoje Mato Grosso é o segundo estado que mais mata homossexual e ninguém faz nada. Isso é muito ruim. Tomara que os novos gestores olhem por nós. precisamos de ajuda”, afirmou Arantes.

Os participantes, alguns fantasiados e outros mais discretos, cantaram o Hino Nacional em forma de protesto ainda na praça, antes de sair em marcha até a Praça Oito de Abril, em frente ao Choppão.

Passeata

Na saída, com monitoramento da Polícia Militar e agentes da Secretaria Municipal de Trânsito (SMTU), os participantes vibraram e cantavam gritos de guerra.

No entanto, quando o primeiro trio elétrico chegou às proximidades da Praça Bispo Dom José, a chuva começou a cair e os participantes se dispersaram.

Muitos participantes, que não tinham como se proteger da chuva, ficaram pelo caminho ou foram embora.

Ao todo, pelo menos 600 encararam a chuva e chegaram ao ponto final do evento, depois de aproximadamente 1h30 de caminhada.

A madrinha da Parada da Diversidade, “Madonna”, disse que a chuva atrapalhou e muito, mas quem acompanhou, defendeu a causa. “A chuva atrapalhou sim, mas não podemos mudar isso. Queremos é destacar os nossos interesses, mas infelizmente a chuva não deixou o povo estar aqui com muita força. Quem sabe na próxima o sábado pode ser um dia melhor para realizarmos a parada”, disse Madonna.

Tony Ribeiro/MidiaNews

“Eu e todos aqui precisamos é de respeito. Quando entro no ônibus para ir trabalhar, eu sinto que olham para mim com preconceito”, reclamou Laine Kaiser

“Respeito”

O combate ao preconceito é uma das bandeiras levantadas pelo grupo. Para o auxiliar de enfermagem e travesti, Laine Kaiser, a luta contra a discriminação é diária.

“Eu e todos aqui precisamos é de respeito. Quando entro no ônibus para ir trabalhar, eu sinto que olham para mim com preconceito. Parece que sou diferente. O mundo precisa mudar e nós precisamos é de respeito”, defendeu.

Além de Kaiser, diversos outros participantes também reclamaram do mesmo ponto. Paula Emanuela da Silva, que é lésbica, reclamou que ao tentar se casar, foi praticamente humilhada.

“Quando eu fui buscar informações para o meu casamento, fiquei quase duas na fila e ainda fui discriminada. É uma coisa que hoje não podemos sofrer. O mundo é aberto e todos precisamos ter e dar respeito”, afirmou.

“O mundo é aberto e todos precisamos ter e dar respeito”

Uma morte a cada 28 horas

Cuiabá é a capital com maior registro de casos de violência contra homossexuais do Brasil.

De acordo com dados da Universidade Federal da Bahia, divulgados pelo jornal O Globo, nesta semana, o índice é de 0,03 homicídios por mil habitantes.

Conforme o levantamento, na Capital de Mato Grosso, os gays são os mais atingidos (59%), seguidos por travestis (35%) e lésbicas (4%).

A homofobia, que ainda não é considerada crime no país, provocou pelo menos 216 assassinatos de janeiro até o dia 21 de setembro deste ano, de acordo levantamento do Grupo Gay da Bahia, que, na ausência de informações oficiais sobre uma prática que não é discriminada nos boletins de ocorrência, é referência sobre o tema no país.

Segundo o grupo, em 2013, o número de assassinatos no Brasil chegou a pelo menos 312 — o que corresponde a uma morte a cada 28 horas.

MAX AGUIAR/MÍDIA NEWS

About The Author
newsmt

Tem algo a dizer sobre essa matéria?