Você está lendo:
Dois órgãos federais entram em greve; mais 29 devem aderir
0

Dois órgãos federais entram em greve; mais 29 devem aderir

by newsmtagosto 3, 2015

O reajuste salarial é a principal reivindicação dos trabalhadores, que não acataram a proposta feita pelo Governo Federal

Os servidores públicos federais de Mato Grosso deflagraram greve por tempo indeterminado nesta segunda-feira (3).

O reajuste salarial é a principal reivindicação dos trabalhadores, que não acataram a proposta feita pelo Governo Federal.

Conforme o Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado de Mato Grosso (Sindsep-MT), a princípio, duas entidades federais decidiram pela paralisação por tempo indeterminado.

As instituições que aderiram ao movimento nesta segunda-feira (3) foram Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e Ministério da Saúde.

A decisão pela paralisação por tempo indeterminado foi tomada após assembleia geral realizada na manhã do dia 27 de julho.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado de Mato Grosso (Sindsep-MT), Carlos Alberto de Almeida, o objetivo é que todas as 31 unidades federais que compõem o Estado participem da greve.

“Decidimos por iniciar a greve a partir do dia 3 de agosto porque o Governo não fez proposta de reajuste salarial no modo em que solicitamos”

“Faremos reuniões com todas as entidades que compõem o Sindsep. Pretendemos que todas entrem em greve até quarta-feira (5)”, relatou.

Manifestação

Na quinta-feira (6), todas as entidades federais em greve deverão realizar uma manifestação na Praça Alencastro.

A deflagração da greve seguirá deliberação da Plenária Nacional dos Servidores Públicos Federais.

“Decidimos por iniciar a greve a partir do dia 3 de agosto porque o Governo não fez proposta de reajuste salarial no modo em que solicitamos”, disse.

Conforme o sindicalista, o Governo Federal propôs reajuste de 21,3%, escalonados em quatro anos.

A proposta, porém, foi rejeitada pela classe, que afirma que o valor não corresponderia nem às perdas salariais ocorridas nos últimos anos. O reajuste solicitado pela categoria é de 27%.

“Pelo fato de o Governo não ter atendido as nossas solicitações, a nossa única arma é a greve”, afirmou Almeida.

Ele contou que a principal finalidade da ação é atingir o reajuste desejado pelos trabalhadores.

“Nosso principal objetivo é sensibilizar o Governo, para que o posicionamento deles mude”, declarou.

Almeida afirmou que somente os serviços essenciais de cada entidade deverão funcionar plenamente, durante o período de paralisação.

“As instituições federais que paralisarem não deverão afetas a população, pois elas cuidam mais de setores administrativos do Estado”, pontuou.

Cada entidade tem o poder de decidir se optará pela paralisação por tempo indeterminado.

Dentre as reivindicações, além do reajuste de 27%, o Sindsep também solicita mudança de regra na contagem de pontos, considerando a média dos últimos cinco anos das gratificações de desempenho para fins de aposentadoria, benefícios, entre outros itens.

Entidades paralisadas

As entidades federais que poderão aderir ao movimento grevista são órgãos militares, Ministério da Educação, Ministério do Trabalho, Funai, MME, DNPM, Vigilância Santária, DNIT, AGU, Ibama, Ministério das Comunicações, Incra, Ministério dos transportes, Ministério da Marinha, DPRF, Controladoria Geral da União e Serviço Federal de Processamento de Dados.

Fonte: Do Mídia News

About The Author
newsmt