Você está lendo:
“É difícil fazer segurança quando a Polícia prende e a Justiça solta"
0

“É difícil fazer segurança quando a Polícia prende e a Justiça solta"

by newsmtagosto 12, 2015

Mauro Zaque diz que Estado não age com vingança; oficial foi executado com 4 tiros por um menor

“A nossa parte foi cumprida, prendemos os criminosos. Agora, é com o Ministério Público e o Poder Judiciário”.

A declaração é do secretário de Estado de Segurança Pública, Mauro Zaque, a respeito do assassinato do tenente-coronel da Polícia Militar, Helton Vagner Martins, de 39 anos, após uma tentativa de assalto à sua residência, no último sábado (8), na cidade de Sinop (500 km ao Norte de Cuiabá).

Três adolescentes com idades entre 15 e 17 anos foram detidos, horas depois do crime.

Um quarto suspeito, de 23 anos, também foi preso por dar apoio logístico à quadrilha.

Em depoimento, o menor de 15 anos confessou que atirou no PM após ele tentar desarmá-lo.

“Esses criminosos já têm vários antecedentes criminais. Então, é difícil fazer segurança quando a Polícia prende uma, duas, três vezes e o Judiciário solta. Esperamos, agora, que o Ministério Público e a Justiça se sensibilizem com o caso e deixem esses bandidos presos”

O secretário Mauro Zaque disse não acreditar que a ação do assassino tenha sido uma afronta à Polícia e afirmou que, ao prendê-los, “o Estado não agiu com vingança”.

“Esses criminosos já têm vários antecedentes criminais. Então, é difícil fazer segurança quando a Polícia prende uma, duas, três vezes e o Judiciário solta. Esperamos, agora, que o Ministério Público e a Justiça se sensibilizem com o caso e deixem esses bandidos presos”, afirmou.

Apesar da sensação de falta de segurança no município, com registros de vários latrocínios (roubo seguido de morte), homicídios e assaltos, Mauro Zaque afirmou que as polícias Civil e Militar têm cumprido com seu papel de prevenir, prender e investigar.

“Parece cansativo o que eu falo, mas a população precisa entender que não é fácil resolver o problema da Segurança Pública, que estava abandonada há 10, 15 anos, em pouco mais de seis meses”, disse.

“Em Sinop, nós estamos trabalhando ostensivamente. Vamos aumentar o efetivo, viaturas…. Agora, é claro que um crime como o que vitimou o tenente-coronel revolta a população, cria uma sensação de insegurança. Mas, a situação não está fora de controle”, completou.

Conforme o secretário, os três adolescentes estão recolhidos a uma unidade socioeducativa do Estado, em Sinop.

O adulto está preso na Penitenciária Osvaldo Florentino Leite (Ferrugem), também na cidade.

O caso

O tenente-coronel Helton Martins foi abordado na porta de casa, por volta das 19h30 de sábado, quando lavava o carro.

Antes disso, os bandidos já haviam passado três vezes na frente da residência.

Na quarta vez, eles decidiram fazer o assalto e renderam o oficial, a esposa, os dois filhos do casal e uma sobrinha deles.

As vítimas foram trancadas em um quarto da casa. Após o menor atirar contra as vítimas, os criminosos fugiram a pé, sem levar nada.

Durante a procura por objetos de valores na residência, um dos criminosos encontrou o boné da PM e mandou um adolescente de 15 anos tirar satisfação.

Nesse momento, o policial teria tentado desarmá-lo. Foi quando ele atirou e a esposa dele teria entrado no meio, e também foi atingida pelos disparos.

Ela passou por cirurgia e está internada em um hospital em Sinop, em recuperação

O PM levou dois tiros no peito, um no tórax e um na cabeça.

Ele foi levado ainda com vida ao Hospital Regional, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no início da madrugada do domingo (9).

Fonte: Do Mídia News

About The Author
newsmt