Você está lendo:
ESTRADAS BLOQUEADAS: Caminhoneiros interditam sete pontos das BRs 163 e 364
0

ESTRADAS BLOQUEADAS: Caminhoneiros interditam sete pontos das BRs 163 e 364

by newsmtabril 24, 2015

Governo federal descarta proposta dos manifestantes; movimento é por tempo indeterminado

Caminhoneiros continuam o bloqueio em sete pontos das BRs 163 e 364, no Estado de Mato Grosso. Nesses pontos, os manifestantes permitem a passagem apenas de carros pequenos, ônibus, ambulâncias e veículos oficiais.

Segundo o site Só Notícias, de Sinop (500 km ao Norte de Cuiabá), os manifestantes estão irredutíveis em relação à liberação temporária de veículos com cargas.

Na hora do almoço, apenas alguns caminhões com cargas vivas passaram pelos bloqueios, após apresentarem notas fiscais do dia anterior ao manifesto.

A Polícia Rodoviária Federal informou que um novo ponto de bloqueio está sendo realizado na BR-163, no km 1058, em Guarantã do Norte (a 715 km da Capital), desde o início da tarde desta quinta-feira (23).

Nessa rodovia, os manifestantes também se concentram em Lucas do Rio Verde, desde o início da madrugada, no km 688; em Nova Mutum, km 598; e em Sorriso, na saída para Cuiabá, no km 748.

Já na BR-364, há dois bloqueios em Rondonópolis – nos kms 200 e 206 – e outros dois na região de Diamantino, no km e 615.

Em alguns trechos ,os manifestantes colocaram cones e pneus na rodovia.

O protesto é por tempo indeterminado e há previsão de mais adesões de caminhoneiros em Tangará da Serra, Guarantã do Norte, Matupá, Sinop, Alta Floresta e Tapurah, segundo a coordenação do manifesto.

Bloqueio

Segundo informações da Policia Rodoviária Federal, em Lucas do Rio Verde, o bloqueio começou por volta de 1h (horário de Mato Grosso), no km 686 da BR-163, sendo que congestionamento já chega a 1 km.

Já em Rondonópolis, os caminhões estão parados na pista desde às 6h30 e o congestionamento chegou a 2 km.

Nos demais pontos, os congestionamentos chegam a, no máximo, 500 metros, conforme a PRF.

Protesto

Os caminhoneiros entregaram, em 26 de março, uma tabela com preços mínimos de frete que poderia ser usada nacionalmente, para análise da Secretaria-Geral da Presidência da República,

O documento foi elaborado por um grupo de trabalho que, além da categoria, era formado por técnicos do Ministério dos Transportes e da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Nesta quarta-feira (22) o governo federal descartou a proposta dos caminhoneiros, de fixar um valor mínimo, obrigatório, para o frete no país.

Representantes da categoria participaram da reunião em Brasília e, ao final do encontro, disseram que uma nova paralisação dos caminhoneiros podia ocorrer a partir da meia-noite desta quinta-feira.

A queda no preço do frete, altas do diesel e pedágio deram origem aos protestos.

Fonte: Mídia News
Publicada por: Hueliton Mendes
About The Author
newsmt

Tem algo a dizer sobre essa matéria?