Você está lendo:
Estudantes que fariam Enem em escolas ocupadas têm prova adiada para dezembro
0

Estudantes que fariam Enem em escolas ocupadas têm prova adiada para dezembro

by Radio Tangaránovembro 2, 2016
201610191415_f3f3299af0
Mais de 191 mil estudantes inscritos para realizar, no próximo final de semana (5 e 6), o Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, vão são prejudicados. O Ministério da Educação, o MEC, anunciou nesta terça-feira (01) que os estudantes atingidos pela ocupação de 304 locais de provas, em 126 municípios, por parte de manifestantes contrários a reformulação do Ensino Médio e a aprovação da PEC 241, vão ter de realizar as provas do Enem 2016 nos dias 3 e 4 de dezembro. Os estudantes que não foram afetados pelas ocupações, mais de 97 por cento do total de inscritos, realizarão a prova normalmente no próximo sábado e domingo.
A presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, o Inep, que organiza o Enem, Maria Inês Fini, explicou que transferir o local de prova dos estudantes para outras escolas era inviável.
Maria Inês Fini, presidente do Inep
“A cada dia você tinha um número de escolas ocupadas e no dia seguinte elas estavam desocupadas, depois eram ocupadas de novo e novas escolas se agregavam a esse quadro. A aplicação do Enem exige um trabalho de preparação de logística do espaço físico bastante grande. Nós temos que preparar a recepção de alunos com necessidades especiais que tem de ser atendidos, em atendimento especifico ou especializado. Enfim, dois lugares não tem as mesmas condições. Então, não se tratava de trocar A por B, nós vamos ter que fazer agora uma nova pesquisa, uma nova organização destes espaços para poder atender todos esses alunos”.
De acordo com Maria Inês, os estudantes afetados pelas ocupações e que, portanto, terão que fazer o exame em dezembro, vão ser avisados pelo Inep por meio de SMS e e-mail. A informação também poderá ser consultada através do aplicativo Enem 2016 ou pelo número 0800 616161. De acordo com o Inep, a nova aplicação, em dezembro, será em tempo hábil para a utilização dos resultados no SISU, Fies e Prouni. Do ponto de vista da prova, os novos itens serão equivalentes, de modo a garantir a isonomia do Enem.
A presidente do Inepdisse ainda que os alunos que participam das ocupações em escolas de todo o Brasil são orientados por partidos políticos e professores que ajudam os alunos a organizar o movimento.
O Cientista Político e professor emérito da Universidade de Brasília, a UnB, David Fleischer concorda com Maria Inês e avalia que as ocupações tem razões políticas. David Fleischer acredita que os manifestantes e, não, o governo, são os maiores derrotados com a decisão do MEC de adiar a aplicação do Enem para os alunos prejudicados com as ocupações.
David Fleischer, Cientista Político
“Quem vai perder diante da sociedade é esse grupo de movimento para ocupar escolas que vai prejudicar o estudante que não tem nada a ver com a ‘coisa’ por razões totalmente políticas. Se você quer pressionar a mudança nas escolas secundárias você tem que ir ao congresso e pressionar. Os deputados vão ter reuniões de comissões e debater o assunto. Então, o congresso não vai ligar para esse negócio de ocupar escolas não”.
Na tarde desta terça-feira, durante audiência na Comissão de Direitos Humanos e Minorias, da Câmara dos Deputados, a presidente da União Brasileira de Estudantes Secundaristas, a Ubes, Camila Lanes, afirmou os estudantes só vão desocupar as escolas quando o Governo Federal retirar Medida Provisória que reforma do ensino médio.
Camila Lanes, presidente da Ubes
“O movimento estudantil é igual a pão,quanto mais bate, mais cresce. A proposta dos estudantes, principalmente o estado do Paraná, que já teve assembléia estadual, é o seguinte: ou retira a Medida Provisória ou a gente vai ocupar cada vez mais, porque essa medida não vai passar”.
Ainda de acordo com Camila, mesmo se quisesse, a Ubes não poderia dar a ordem para desocupar as escolas. Segundo ela, essa decisão só pode ser tomada por cada uma das ocupações através de votação, assembléia e discussão dos estudantes.
About The Author
Radio Tangará