Você está lendo:
Iesa demitirá 1 mil no RS após rescisão de contrato da Petrobras
0

Iesa demitirá 1 mil no RS após rescisão de contrato da Petrobras

by newsmtnovembro 20, 2014

Indústria construiu uma fábrica em Charqueadas para produzir módulos de plataformas de petróleo

O temor de que os reflexos da Operação Lava-Jato afetem a indústria naval e os empregos do setor começa a se confirmar. Em crise financeira e com executivos presos na última sexta-feira, a Iesa Óleo e Gás, que construiu uma unidade para montar módulos de plataformas em Charqueadas, vai demitir os cerca de mil funcionários na segunda-feira.

Os desligamentos se devem à confirmação da Petrobras de que o contrato com a empresa foi rescindido. Segundo a estatal, será feita uma “nova licitação para a contratação dos serviços”.

O receio agora é que o escândalo envolvendo a Petrobras e grandes empreiteiras se estenda para o principal polo naval do Estado. Fornecedores da Ecovix, que faz cascos de plataformas para a estatal em Rio Grande, revelaram nesta terça-feira que a empresa informou a necessidade de fazer uma forte redução de custos devido à dificuldade para receber pagamentos. Com isso, teria de dispensar, até o dia 5 de dezembro, cerca de 40% da força de trabalho composta por 9,5 mil pessoas entre trabalhadores diretos e indiretos. A Ecovix é controlada pela Engevix, também envolvida na Lava-Jato.

Empresas gaúchas temem calote da Iesa em contratos do polo do Jacuí
Como a operação Lava-Jato pode afetar a economia do Rio Grande do Sul

Procurada, a Ecovix negou as demissões. O vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Rio Grande e de São José do Norte, Sadi Machado, diz que a explicação da empresa é que, como deve entregar a P-66 nos próximos dias, a desmobilização seria necessária e programada. O estaleiro tem contrato de mais sete cascos para a Petrobras e três navios-sonda para a Sete Brasil, que depois alugará as embarcações para a estatal.

Na tentativa de buscar alguma solução para a unidade da Iesa, uma comitiva de Charqueadas e prefeitos de outros municípios da região se reuniu também nesta terça-feira com o vice-presidente Michel Temer, em Brasília.

— Estamos tentando uma alternativa para que os módulos sejam produzidos por outra empresa em  Charqueadas e que não vá tudo para a China — diz Davi Gilmar de Abreu Souza, prefeito de Charqueadas.

Três presidentes de empreiteiras estão entre os 18 presos pela PF
Por que os políticos ficaram de fora da sétima fase de investigações

Após o encontro, Temer se reuniu com o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão. O receio em Charqueadas é de que os funcionários da Iesa não recebam a verba rescisória.

— Se a Petrobras não bancar, a Iesa não terá recursos para pagar — alerta o prefeito.

ENTENDA O CASO

Charqueadas

— Em dificuldades financeiras, o grupo Inepar, controlador da Iesa, entrou em recuperação judicial em setembro. A unidade de Charqueadas, que tinha um contrato de US$ 800 milhões com a Petrobras, está paralisada.

— A empresa e a Petrobras buscaram sem sucesso um parceiro capitalizado para assumir a encomenda. A prisão de altos executivos da Iesa Óleo & Gás, na sexta-feira, foi a pá de cal no negócio.

— Com a rescisão, a Petrobras promete fazer uma nova licitação. Não ficou claro, porém, se a produção ficará no país.

Leia as últimas notícias de Zero Hora

Rio Grande

—  A Ecovix tem contrato para construir 8 cascos de plataformas com a Petrobras, avaliados em US$ 3,5 bilhões, e três navios-sonda para a Sete Brasil, um contrato de US$ 2,3 bilhões.

— A Ecovix é controlada pela Engevix, que também teve dois executivos do primeiro escalão presos na sexta-feira pela Polícia Federal.

— Devido ao maior controle de gastos na Petrobras nos últimos meses, o estaleiro estaria com  dificuldades de receber pagamentos e ter aditivos aceitos.

por  Caio Cigana

About The Author
newsmt

Tem algo a dizer sobre essa matéria?