Você está lendo:
Investigadores descobrem suspeito de homicídio preso há oito meses com nome falso

Investigadores descobrem suspeito de homicídio preso há oito meses com nome falso

Com oito passagens criminais e preso há oito meses com nome falso, Everton Almeida de Oliveira (nome verdadeiro), 29 anos, conhecido por “Paradinha”, foi descoberto em investigações da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), como principal suspeito do assassinato de um homem, no ano de 2013.

O criminoso tinha dois mandados de prisão em aberto, sendo uma condenação de 12 anos e seis meses, pela Primeira Vara Criminal de Cuiabá, por crime de homicídio referente a processo de 2008. E o segundo mandado de prisão preventiva, da 3ª Vara Criminal da Capital, por crime de roubo, delito pelo qual também registra outras passagens, assim como é suspeito de outros homicídios.

As duas ordens de prisão foram cumpridas na quinta-feira (06), pela equipe de investigação da delegada, Ana Cristina Feldner, que notificou o preso dentro da Penitenciária Central do Estado (PCE), unidade prisional que está recolhido há 8 meses com o nome do primo, Pedro Dias de Moura Junior.

O suspeito também foi interrogado referente o crime investigado no inquérito da DHPP, pelo assassinato de Nelson Camargo Santana, no ano de 2013. “Ele é suspeito de ter sido o executor do crime. Mas não estávamos conseguindo localizá-lo.Era como se estivesse desaparecido”, disse a delegada.

A descoberta do paradeiro do criminoso foi feita pela equipe policial do cartório da delegada, que desenvolveu uma investigação primorosa, checando todas as possibilidades de localização do acusado, até que levantaram a possibilidade dele estar usando nome falso e assim chegaram a Pedro Dias de Moura Junior, primo do suspeito, que está preso na PCE.

A prisão ocorreu durante abordagem de rotina da Polícia Militar. Everton estava sem documento e na ocasião apresentou o nome do primo, que tinha mandado de prisão, por um delito com pena menor, do que o crime que cometeu e havia sido condenado.

Sabendo disso e também por ser ameaçado de morte, se fez passar pelo primo e ficou encarcerado todo esse tempo. Conforme a delegada, Ana Cristina, para esclarecer a identidade verdadeira, foi feito confronto papiloscópico. “Nesta quinta-feira ele foi interrogado nesse inquérito de homicídio e aproveitamos para cumprir mais dois mandados de prisão contra o Everton. Tudo graças ao trabalho primoroso da nossa equipe de investigadores”, disse.

Na unidade prisional, outros três detentos foram ouvidos em inquéritos de homicídios investigado pela equipe da delegada.

Quando menor de idade, Everton também registra prática de atos infracionais. Ele será indiciado pelo crime cometido no ano de 2013, que resultará em novo processo criminal contra sua pessoa.

Denúncias

Além do disque-denúncia via 197, a Polícia Civil conta com um canal exclusivo via WhatsApp para recebimento de informações referentes a homicídios na região metropolitana. Pelo telefone (65) 9 9971-7976 qualquer pessoa pode auxiliar as investigações da DHPP. O sigilo é absoluto.