Você está lendo:
Jovem que matou ex-companheira é preso pela Polícia Civil:
0

Jovem que matou ex-companheira é preso pela Polícia Civil:

by Radio Tangarájulho 21, 2016

387931

A Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção a Pessoa (DHPP) da Polícia Judiciária Civil, cumpriu nesta quarta-feira (20.07) mandado de prisão temporária (30 dias) contra Vinícius Paes de Barros Alcântara, 18. Ele é acusado de matar sua ex-companheira, Hellen Lorrayne Miranda Prado, 18, no dia 26 de junho em Várzea Grande. O suspeito já estava preso por um roubo cometido na segunda-feira (18.07).

Ao delegado que preside as investigações, Antonio Carlos Araújo, Vinícius confessou o homicídio, afirmando que colocou a arma de fogo no olho esquerdo da vítima e apertou o gatilho. Ele confessou ter utilizado drogas horas antes do crime. A vítima tinha uma filha de menos de um ano de idade com Vinícius e chegou a ser socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Emergência (SAMU), mas morreu no dia seguinte (27.06) no Pronto-Socorro de Várzea Grande.

Uma das testemunhas contou que Hellen Lorrayne estava em frente à casa, conversando com uma amiga, quando Vinicius se aproximou  com uma arma de fogo, cano serrado. Ele teria pedido para que a ex lhe devolvesse suas “ferramentas”, referindo-se a instrumentos para praticar roubos. Durante a conversa, a arma teria disparado, acertando o olho da vítima.

No andamento do inquérito policial, outra testemunha informou que o acusado questionava Hellen Lorrayne sobre as “ferramentas”. Segundo a testemunha, era costume o suspeito intimidar a vítima, apontando a arma para cabeça dela. A moça pedia para que ele parasse com a “graça”.

No dia do crime Vinicius passou a empurrar a arma contra a cabeça de Hellen por três vezes, e, na última, a arma disparou. Em seguida, o autor saiu gritando por socorro e acabou fugindo, deixando cair à arma de fogo no local.  A arma, uma espingarda calibre 24, cano serrado, foi apreendida.

A mãe da vítima contou à polícia que sua filha namorava Vinicius desde os 15 anos, e se separaram duas semanas, antes do crime. Em depoimento, ela relembrou que o genro era usuário de drogas, violento e não aceitava a separação.

Ainda com base nas informações do laudo de necropsia, foi constatado que o autor praticou a ação com requinte de crueldade, apontando a arma no olho esquerdo da vítima em curta distância, causando grave lesão encefálica, tornando impossível a defesa da jovem.

Conforme o delegado da DHPP, Antonio Carlos de Araújo, depois de desaparecido Vinicius se apresentou na Delegacia, acompanhado de seu advogado, no dia 04 de julho. “Na ocasião o suspeito foi interrogado e alegou que a arma havia disparado de forma acidental. Entretanto, após oitiva de algumas testemunhas, que se encontravam no momento dos fatos, foi confirmado que a versão do interrogando contrariava a verdade dos fatos”, disse.

Diante dos indícios, a Polícia Civil representou pelo pedido de prisão temporária. O mandado foi expedido pela Vara de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, de Várzea Grande.

A ordem judicial saiu na última terça-feira (19.07), quando Vinícius já estava preso por crime de roubo qualificado, juntamente com seu irmão V.H.S., menor de idade, e outro comparsa chamado Claudeilton Gomes Vanderley Junior.

Os três foram presos, na segunda-feira (18), no bairro Cohab Dom Bosco, em Várzea Grande, após roubar pertences de duas vítimas no bairro Vila Sadia. Eles confessaram o roubo no interrogatório prestado na DHPP.

Vinícius está recolhido na Penitenciária Central de Cuiabá (PCE). Agora será indiciado por homicídio qualificado cumprido no inquérito policial que será concluído antes dos 30 dias da prisão temporária. “É um crime hediondo contra mulher. Foi um feminicídio”, finalizou o delegado.

About The Author
Radio Tangará