Você está lendo:
Jovens de Cuiabá se preparam para brigar por medalha da WorldSkills na Rússia

Jovens de Cuiabá se preparam para brigar por medalha da WorldSkills na Rússia

Alunos do SENAI de Cuiabá, Brumell Rodrigues, 19 anos, e Gabriel Camargo,18 anos, se preparam para disputar uma das 63 vagas na equipe brasileira da WorldSkills, a maior competição de educação profissional do mundo. Os jovens formam o time que vai competir na modalidade construção de estruturas para concreto.

A disputa será realizada em agosto deste ano, em Kazan, na Rússia, mas a preparação para o desafio já começou. Eles estão em Brasília, onde deverão ficar até a competição. Para Brumell, a dupla precisa estar focada nesta fase, que considera como o passaporte para o mundial.

“A gente tem que provar não só para os nossos superiores, mas para nós, que aquele é o nosso lugar e que nós queremos estar lá no final do ano para mostrar que a gente pode ser o melhor do mundo.”

Moradores de Cuiabá, eles se classificaram em 2017, na etapa regional, e, no ano passado, na nacional. Exigente, Gabriel conta que está satisfeito com o trabalho que fizeram até aqui, mas que ainda não tem muito a comemorar, já que a etapa mais importante ainda vem por aí.

“A gente tem que prestar atenção em um dia atrás do outro, no caminho até lá. Tem que ser sempre melhor do que ontem.”

A WorldSkills tem 56 modalidades técnicas que exigem adequação aos padrões mundiais. Segundo o gestor do projeto Brasil Kazan 2019, José Luiz Gonçalves Leitão, cada competidor recebe um projeto e tem uma determinada quantidade de horas para desenvolver o desafio.

“É um jogo de tempo. Cada uma das habilidades é trabalhada dentro dos padrões e eles são submetidos a vários testes, exercícios, durante esse período. Eles têm que ter consciência do desenvolvimento técnico, de desenho técnico, de metodologia, medidas, interpretação de desenho, acabamento de produto, de processos. Tudo isso é trabalhado dentro das habilidades que cada uma das profissões tem.”

A cada edição da WorldSkills, o Brasil participa com um número maior de competidores e melhora sua classificação. Em 18 participações, o país já acumulou 136 medalhas.