Você está lendo:
Justiça condena organização especializada em assaltos envolvendo policiais em MT
0

Justiça condena organização especializada em assaltos envolvendo policiais em MT

by newsmtjulho 8, 2014

A Justiça de Mato Grosso condenou oito pessoas integrantes de três organizações criminosas especializadas em assaltos, roubos de veículos, crimes contra o patrimônio e tráfico de drogas no Estado. As penas variam de três a oito anos de reclusão. A decisão é da juíza Selma Rosane Santos Arruda, da Vara Especializada Contra o Crime Organizado.

Consta que as ações criminosas contavam com a participação de policiais militares. Eles agiam em Cuiabá e Várzea Grande. 

No decorrer das investigações houve interceptação telefônica, que conforme verificado, atuava com a divisão de tarefas. Os autos apontam que quatro integrantes da organização fazem parte da denominada “comissão de frente”, ou seja, “são aqueles que invadem os estabelecimentos vítimas e anunciam o assalto, sempre munidos de armas de fogo”. Outros dois criminosos têm o papel de retaguarda para “eventual auxílio na execução e promovem ações relacionadas ao resgate dos executores do crime”.

Conforme as investigações, os condenados se “associaram ao bando para a prática de tráfico de drogas, roubo de veículos, falsificação de documentos para veículos de “Duble” ou “Finan”, além de comércio ilícito de arma de fogo”.

Jorge Adriano Santana de Campos e Simone Maria de Santana Coronel comandam a organização e obtêm informações privilegiadas dos PMs Edmar e Augusto, que fazem a checagem de veículos de origem ilícita. Os autos apontam ainda que os policiais fornecem, vendem e emprestam armas e veículos ao bando para a prática de tráfico de drogas e “cobrança” de drogaditos, conforme ficou demonstrado nos vários diálogos gravados. “Em verdade, verificou-se que os “agentes da lei” se comportam como verdadeiros serviçais dos traficantes, chegando ao cúmulo de, no uso de viaturas oficiais, se prestarem ao papel de levar marmitas aos denunciados”.

Consta ainda em uma das escutas que Simone afirma que dos 100 policiais do CPA, 80 fazem acerto. Antonio Henrique de Carvalho Neto diz que os 20 que não fazem acerto são “colados” do coronel, são os que compõem o grupo de apoio. “Simone diz que esses caras que estão derrubando os policiais que fazem acerto”.

Conforme a decisão, Jorge Adriano Santana de Campos foi condenado a 8 anos em regime fechado; Simone Maria Santana Coronel a 5 anos em regime semiaberto; Edmar Lima Barreto a 8 anos e 7 meses em regime fechado; Augusto Carlos de Campos Magalhães a 7 anos e 5 meses em regime semiaberto; Antonio Henrique de Carvalho Neto a 5 anos e 9 meses em regime semiaberto; Roberto Benedito de Santana a 8 anos e 9 meses em regime fechado; Marcos Máximo Santana a 8 anos e 9 meses em regime fechado; Bruno Aparecido Maza a 3 anos e 4 meses em regime semiaberto.

About The Author
newsmt

Tem algo a dizer sobre essa matéria?