Você está lendo:
"Não quero mais fazer política; é uma decisão pessoal", diz Riva
0

"Não quero mais fazer política; é uma decisão pessoal", diz Riva

by newsmtagosto 11, 2015

Ex-deputado José Riva descarta possibilidade de voltar ao comando do PSD em Mato Grosso

O ex-deputado estadual José Riva descartou a possibilidade de voltar ao comando do PSD em Mato Grosso. Alvo de centenas de processos na Justiça, ele reafirmou que irá se manter afastado da política partidária.

“Não quero mais fazer política. É uma decisão pessoal. Quem vai ter que tomar decisões políticas, aqui em casa, é a Janaina. Tenho conversado com alguns prefeitos e vereadores, mas não tenho me posicionado, porque a minha intenção é ficar fora da política”, disse.

Na última semana, a deputada Janaina Riva disse acreditar que a ausência do pai é um dos principais fatores para o enfraquecimento do PSD em Mato Grosso. Já o deputado José Domingos Fraga disse que irá procurar Riva e pedir para que ele continue à frente do partido.

“Não quero fazer política, quero ficar sem partido, porque não pretendo mais militar politicamente. A política da minha casa é a Janaina”

“Se ele [José Domingos] me procurar, vamos conversar. Ele é meu amigo. Não tenho nada contra ele. Mas não quero fazer política, quero ficar sem partido, porque não pretendo mais militar politicamente”, afirmou.

Para ele, a atual situação de enfraquecimento do PSD se deve ao atual cenário político – como com a vitória de outro grupo ao comando do Estado e a possível abertura de uma ‘janela’, para que lideranças com mandatos  possam mudar de partido sem risco de perder a vaga.

“Acho que é uma circunstância, um momento. Todo partido tem que ter uma posição ao grupo que está no poder. Ou ele é oposição, ou é situação. E a partir do momento que alguns buscam ser Governo, desfigura o partido que está na oposição”, disse.

“Mas não acho que o partido está se esfacelando. Tem muita gente boa no PSD. Acho que é questão dos membros conversarem, da nova direção conversar com os prefeitos, vereadores e manter a base do partido. Mas eu não pretendo mais fazer esse trabalho”, afirmou.

O ex-deputado disse ainda não ter avaliado a possibilidade do PSD se tornar um partido nanico no Estado, caso se confirma a debandada.

“Com certeza, dependendo das decisões, o partido pode se enfraquecer. Como, também, pode se fortalecer. Mas ainda não tenho essa posição, não fiz essa avaliação, porque estou muito ausente da política”, disse.

Debandada

Dos quatro deputados da bancada do PSD na Assembleia Legislativa, três já afirmaram que deixarão a sigla, caso se confirme a brecha na lei pela qual mandatários poderão mudar de partido sem risco de perder a vaga.

Gilmar Fabris, Pedro Satélite e Janaína garantiram que mudam de sigla, e José Domingos já afirmou que pretende se manter fiel ao partido.

Janaina recebeu um convite de filiação do presidente regional do PMDB, deputado federal Carlos Bezerra, que ofereceu “posição estratégica” a ela dentro do partido e autoridade para participar na construção dos diretórios municipais, visando às eleições de 2016.

Satélite afirmou que deve seguir o governador Pedro Taques (PDT) e Gilmar Fabris ainda não confirmou para qual partido deve seguir.

Fonte: Do Mídia News

About The Author
newsmt