Menu
Seções
"O combate à corrupção também é papel do cidadão", diz ministro
dezembro 14, 2015 Destaques

Simão Viana, da CGU, afirma que, além dos órgãos fiscalizadores, cidadãos devem estar atentos ao problema

Na semana em que se debateu o combate a corrupção no país, o ministro-chefe da Controladoria-Geral da União (CGU), Valdir Simão, afirmou que a participação da população na fiscalização dos gastos de dinheiro público é essencial para inibir atos de corrupção dentro dos órgãos governamentais.

Simão esteve no Palácio Paiaguas, em Cuiabá, na semana passada, para participar da ampliação do projeto “Um por todos e todos por um”, que desenvolve ações educativas de estímulo à ética, cidadania, responsabilidade cidadã, participação social, democracia e autoestima, em escolas da rede pública em Mato Grosso.

“O trabalho de combate à corrupção é papel não só dos lideres de Governo, mas também de outros órgãos de defesa do Estado, mas em especial do cidadão. É o cidadão que acompanha o dia a dia da cidade e a aplicação de recursos. Ele precisa denunciar, quando há má gestão de recurso público. Havendo recurso federal, a CGU estará de olho”, afirmou o ministro.

Papel da CGU

Simão também declarou que a CGU busca mecanismos para ampliar a fiscalização nos órgãos públicos do país.

Diante dos casos de suposta corrupção envolvendo secretarias e o próprio Governo do Estado, como se tem visto nos últimos anos, com as deflagrações de operações da Polícia Federal e da Delegacia Fazendária, o ministro afirmou acreditar em um trabalho de parceria, para coibir tais práticas lesivas aos cofres públicos.

“Além das ações de educação, nós também precisamos definir mecanismos de controle adequados, que evitem a prática de corrupção. Para isso, a Controladoria vem se especializando, trabalhando com fiscalizações mais inteligentes. Estamos compartilhando estas expertises com os governos, em especial aqui em Mato Grosso”, declarou Simão.

“Juntos, nós podemos fazer uma rede de proteção às instituições públicas, que as tornem impermeáveis à corrupção. É para isso que a CGU trabalha, com a consciência que não fará isso sozinha e precisamos de parceria e apoio”, completou o ministro.

Transparência em MT

De acordo com levantamento realizado pelo Ministério Público Federal (MPF), Mato Grosso ocupa a 3ª posição no ranking nacional entre os estados com maior transparência pública.

A pesquisa (veja aqui) foi divulgada na quarta-feira (9), em comemoração ao Dia de Combate à Corrupção.

Com nota 9,5, o Estado ficou atrás apenas do Espirito Santo (nota 10) e de Santa Catarina (nota 9,8).

A pesquisa foi realizada entre os meses de setembro e outubro e avaliou a qualidade dos portais de transparência na internet, com dados sobre as contas públicas, obrigatórios por lei.

Todavia, entre os municípios pesquisados no Estado, 66,89% apresentaram notas abaixo dos cinco pontos – destes, 16% tiraram nota zero, pois não apresentavam informações mínimas sobre as contas e gastos públicos.

Dentre os municípios mais bem pontuados estão: Diamantino – com nota 9,3; Sorriso – com 9,2 pontos; e Água Boa – com 9,1 pontos.

Cuiabá ficou em 7º lugar, com 8,5 pontos.

Fonte: Do Midia News

Comentários estão fechados
*