Você está lendo:
Polícia alerta para aumento de golpes no fim do ano
0

Polícia alerta para aumento de golpes no fim do ano

by newsmtdezembro 2, 2014

Em 10 meses, foram registrados mais de 3.5 mil ocorrências de estelionato no Estado

O aumento das compras de fim de ano também pode gerar crescimento nos golpes aplicados, tanto em comerciantes quanto nos consumidores.

O alerta é dos delegados da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso, Fausto José de Freitas e Sylvio do Vale Ferreira Junior, que atuam na 1ª Delegacia de Polícia de Várzea Grande, onde 50% do volume de trabalho é para o crime de estelionato.

Os dois delegados, que estão há cerca de 3 meses na unidade policial, realizaram levantamento dos golpes mais aplicados na praça e passaram a dividir a modalidade para identificação dos criminosos, que estão atuando na região de Várzea Grande e também em Cuiabá. “Já identificamos alguns criminosos que estão atuando aqui na nossa área e já foi realizado representação de mandado de prisão junto à Justiça. Acreditamos que esses criminosos serão localizados e presos”, destacou o delegado Sylvio do Vale Ferreira Junior.

De janeiro a outubro de 2014, a Polícia Civil registrou 3.543 ocorrências de estelionato no Estado. Os números não representam a realidade do cometimento do crime, em razão de muitas das vítimas não registrarem o boletim ou quando comunicam, o fato já se passou muito tempo, dificultado o trabalho de desarticular a modalidade de golpe. “Como não são imediatamente comunicados a polícia, acaba impossibilitando a prisão em flagrante”, destaca o delegado Fausto José.

Segundo os delegados, os golpes estão cada vez mais elaborados e os cuidados devem ser redobrados para não cair em ofertas vantajosas, como quando a vítima acha que vai ganhar alguma coisa em troca, caso dos prêmios pelo celular, ou encontra produtos com preços muito abaixo do mercado em sites na internet. “Os estelionatários estão sempre inovando, aprimorando os golpes e quanto mais cuidado a pessoa tomar, menor é a chance de cair no golpe”, orienta o delegado Sylvio do Vale.

De acordo com os delegados, para cada golpe são facilmente encontradas vítimas, mas a prisão em flagrante dos estelionatários ocorre em proporção menor. “Geralmente como o golpe já se consumou é difícil efetuar a prisão em flagrante”, explica o delegado. “A prisão, no caso dos estelionatários, ocorre com mandado e nosso objetivo agora é identificar esses estelionatários e prende-los”, afirma Sylvio.

Conheça algumas modalidades com maior incidência de registro, eleitas pelos delegados. São elas:

1. Golpe do depósito, aplicado em todo o Brasil e que ocorre em diferentes versões. O golpe é muito semelhando ao envelope vazio. Em algumas modalidades o criminoso simula o depósito e depois liga na empresa dizendo que se enganou e efetuou o pagamento no valor a maior e pede devolução do dinheiro. Em outras, chega a depositar o dinheiro e depois que empresa ou pessoa confirmar ele retorna no banco e estorna o dinheiro, alegando ao caixa que depositou em conta errada. Nisso a empresa já entregou a mercadoria. Há pelos menos 10 registros do golpe na delegacia em valores que vão de R$ 1 mil, 4, 5 e até 10 mil.

As vítimas são geralmente pessoas que vendem produtos e prestam serviços. Em todos os casos, a vítima deve esperar 24 horas para confirmar o dinheiro na conta ou entrar em contato com agência bancária. “É uma nova modalidade de golpe, que foi aperfeiçoada”, alerta o delegado Sylvio do Vale.

2. Carro quebrado ou “Bença Tia”

Esse é um golpe muito cometido por detentos de presídios do Brasil. O criminoso liga para números aleatórios e quando alguém atende diz “bença tia (o)”. O suspeito se passa por parente da vítima, geralmente sobrinho, e diz que está com o carro quebrado na estrada e que precisa de dinheiro para o guincho ou para pagar o mecânico. A vítima acreditando que o parente está com dificuldades realiza o depósito. Em outra versão do golpe, o estelionatário pode pedir crédito de celular, supostamente para manter contato com a seguradora e com familiares.

O que leva as pessoas a caírem nesse golpe é a vontade de ajudar o familiar. É necessário que a pessoa, antes de tomar qualquer decisão, se acalme, e cheque as informações. Conferir se o número do telefone de que recebeu a ligação é o mesmo do parente e entrar em contato com os familiares mais próximos da pessoa para saber se realmente a situação tem possibilidade de ser real, são maneiras de evitar cair no golpe.

3. Código de Barra – os criminosos falsificam o código de barra da fatura, as vítimas pagam, o dinheiro vai direto para a conta da quadrilha, que fica pouco tempo aberta. Geralmente as vítimas nem percebem a fraude na fatura da conta, mas deve ficar atenta em atrasos da conta e entrar em contato com a empresa quando perceber algo diferente na fatura com relação a impressão e pedir para confirmar o código de barras.

4. Compra e venda de objetos em sites na internet

Nesses sites, os usuários podem comprar e vender produtos novos ou usados particularmente, através de uma negociação direta. Os golpes podem ser aplicados tanto pelo vendedor como pelo comprador funcionando da seguinte maneira.

Golpe do comprador: O golpista faz a compra do produto anunciado pela vítima no site e não efetua o pagamento, mas envia um comprovante falso em nome do gerenciador do site, confirmando que o produto foi pago. Entre outros comprovantes falsos, o golpista pode enviar ainda a validade do seu cadastro no site e a indicação de cliente confiável.

Em seguida, o falso comprador envia um e-mail para vítima, falando que precisa do produto com urgência e que ele deve ser enviado ainda no mesmo dia.

Alguns fatores podem auxiliar identificar este golpe como o layout dos e-mails enviados, que apesar de parecidos apresenta diferenças, como logomarca do site, cores padrão, tipografia e linguagem utilizada; o destino da mercadoria geralmente é uma cidade pequena, pouco conhecida, urgência na entrega do produto por motivo estranho.

Golpe do vendedor: A vítima compra um produto anunciado no site, efetua o pagamento, mas não recebe o produto ou recebe um produto com características diferentes do que comprou. Exemplo: comprou uma corrente de ouro e recebeu uma bijuteria.

A Polícia Civil orienta que, no caso de compras pela internet, as pessoas devem procurar sites conhecidos, consolidados no mercado, que tenha referência de outros compradores. É importante tomar cuidado com os sites de anúncios e venda de produtos usados novos.

Redação com Mídia News

 

About The Author
newsmt

Tem algo a dizer sobre essa matéria?