Você está lendo:
Prêmio Professores do Brasil celebra educadores que utilizam o esporte como ferramenta de educação

Prêmio Professores do Brasil celebra educadores que utilizam o esporte como ferramenta de educação

Pelo segundo ano, Instituto Península apoia categoria que premia professores de educação física da rede pública de ensino.

Cinco professores de Educação Física de escolas públicas do Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país são os vencedores do Prêmio Professores do Brasil, na categoria Esporte como Estratégia de Aprendizagem. Leonardo Coelho de Deus, do Piauí; Lucia Dagmar Hurtado Arruda, do Mato Grosso; Mariana Silva Barros, do Pará; André Luiz Cyrino Oliveira, do Ceará, e Weliton de Freitas Silva, do Tocantins, realizaram projetos em que o esporte é a principal ferramenta pedagógica no ensino dos alunos da Educação Básica.

O Instituto Península, que acredita no esporte como ferramenta para o desenvolvimento integral de alunos, apoia a categoria pelo segundo ano consecutivo por meio do Impulsiona, sua iniciativa que capacita professores a disseminarem os valores e práticas do esporte nas escolas. O concurso é organizado pelo Ministério da Educação (MEC) e reconhece práticas de professores aplicadas em sala de aula que visam à melhoria da educação.

“Nós do Instituto Península temos orgulho em apoiar a categoria no Prêmio Professores do Brasil e celebrar o trabalho de professores que fortalecem o esporte como uma poderosa ferramenta pedagógica. A prática esportiva regular melhora o desempenho de alunos em tarefas que envolvem simultaneamente cognição, aprendizagem e raciocínio lógico, e seus valores desenvolvem competências socioemocionais, aspectos muito importantes na formação das novas gerações”, comenta Heloisa Morel, diretora do Instituto Península.

Para mostrar a importância do respeito aos deficientes físicos, Leonardo Coelho de Deus fez um trabalho de conscientização com os alunos do Ensino Médio do Instituto Federal do Piauí Campus Corrente, em Teresina (PI). Ele desenvolveu o projeto de Educação Física Adaptada, que ensinou princípios de respeito e solidariedade ao próximo a partir da experiência dos estudantes na prática de esportes adaptados aos deficientes.

Na EMEF Vinicius de Moraes, em Lucas do Rio Verde (MT), a professora Lucia Dagmar Hurtado Arruda criou a Gincana Educativa IDEB. Usando atividades lúdicas e motivadoras, a gincana desenvolveu a percepção, a imaginação, a fantasia e os sentimentos dos alunos, estimulando e melhorando a aprendizagem de forma integral. Isso preparou os estudantes para a prova do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), aplicada pela primeira vez em 2017.

Mariana Silva Barros enfrentava dificuldades em ensinar práticas esportivas na EMEF Mariana Leão Dias, no município de Tucuruí (PA). Com espaço físico inadequado e falta de materiais pedagógicos e de recursos financeiros, a educadora adotou o Atletismo para garantir a prática de atividade física a todos, incluindo os estudantes com deficiência física e intelectual. Utilizando materiais confeccionados com recursos alternativos e recicláveis, ela promoveu atividades de corrida, salto, arremesso e lançamento que desenvolveram a capacidade motora, a autoestima, a integração e a motivação de seus alunos para o aprendizado.

O professor Andre Luiz Cyrino de Oliveira levou aos alunos da EEM Mariano Martins, de Fortaleza (CE), práticas que valorizam o bom relacionamento, tanto do indivíduo consigo mesmo quanto com outras pessoas. Ele utilizou atividades da Cultura Corporal de Movimento, que incluem as ginásticas, as danças, as lutas, os jogos, os esportes e as práticas corporais de aventura. Estas interações estimulam o contato com outro colega, seja em duplas, trios ou grupos, e desenvolvem percepções como o cuidado com a segurança do próximo, a humildade, o protagonismo do ensinar ao outro, o respeito e a amizade.

Nas aulas de Educação Física do Colégio Estadual Cândido Figueira, em Urbana (TO), os alunos praticavam apenas Futsal e muitos não tinham interesse em participar das aulas. O professor Welinton de Freitas Silva identificou que a falta de estímulo vinha da carência de habilidades psicomotoras básicas para a prática de modalidades esportivas coletivas e individuais. Ele passou a promover outros esportes, como Atletismo, Basquetebol, Tênis de Mesa e Voleibol, e organizou a participação dos alunos na manutenção das estruturas da escola. Eles aprenderam a valorizar o esporte e a compreender a importância da conservação do patrimônio público.

Os cinco vencedores ganharão um vale de R$ 5.000,00 para investir nas escolas onde atuam. A edição 2018 do concurso premiou 30 professores em seis categorias (Educação Infantil – Creche, Educação infantil: Pré-escola, Ensino Fundamental – Anos Iniciais – Ciclo de alfabetização: 1º, 2º e 3º anos, Ensino Fundamental – anos iniciais: 4º e 5º anos, Ensino Fundamental – anos finais: 6º a 9º anos e Ensino Médio), além de temáticas especiais, como Esporte como estratégia de aprendizagem.

 

Sobre o Prêmio Professores do Brasil

O Prêmio Professores do Brasil é uma iniciativa do Ministério da Educação (MEC) em parceria com instituições que buscam reconhecer, divulgar e premiar o trabalho de professores de escolas públicas que contribuem para a melhoria dos processos de ensino e aprendizagem desenvolvidos nas salas de aula.