Você está lendo:
R$ 700 MILHÕES: AL vota parcelamento de dívidas do Estado na próxima semana

R$ 700 MILHÕES: AL vota parcelamento de dívidas do Estado na próxima semana

Projeto de lei prevê parcelamento de dívidas deixadas pela gestão de Silval Barbosa (PMDB)

O presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, deputado Guilherme Maluf (PSDB), afirmou que o projeto de lei que prevê as quitações das dívidas do Governo do Estado será votado na sessão da próxima terça-feira (5).

“Nesta quinta-feira (30), não foi possível, pois estamos com uma comitiva de deputados no Araguaia, acompanhando audiências públicas no período da manhã e a tarde. Em função disso, a sessão está prejudicada. Colocaremos o projeto do ‘Bom Pagador’ na pauta de votação da próxima terça”, afirmou.

O projeto do governador Pedro Taques (PDT) visa o parcelamento de uma dívida de R$ 700 milhões deixada pela gestão passada, sob o comando do ex-governador Silval Barbosa (PMDB).

“Colocaremos o projeto do Bom Pagador na pauta de votação da próxima terça”

A ideia é realizar o pagamento por meio de três métodos: o parcelamento com desconto; a compensação dos débitos com créditos relacionados à dívida ativa e um “leilão reverso”.

Em entrevista na quarta-feira (29), o líder do Governo na Assembleia, deputado Wilson Santos (PSDB), voltou a minimizar as críticas existentes em relação ao projeto.

Ele negou que o projeto possa diminuir a credibilidade do governador Pedro Taques.

“Quero deixar claro que essas dívidas analisadas pelo projeto de lei ‘Bom Pagador’ são da gestão passada, do governo Silval da Cunha Barbosa. As dívidas feitas a partir de 2 de janeiro deste ano estão devidamente pagas e as que não estão, já estão planejadamente para serem pagas”, afirmou o tucano.

Ainda segundo Santos, a iniciativa de parcelar os restos a pagar deixados por gestões anteriores tem sido utilizada em vários estados do país.

“A situação não é tão simples assim. Pelo menos o Governo se apresenta, dizendo o que ele tem em caixa e de que forma pretende pagar a divida do ex-governador Silval Barbosa”

“Em Brasília, por exemplo, há R$ 600 milhões de restos a pagar, que o governo resolveu pagar em oito parcelas. No Rio Grande do Sul, o governo decretou uma moratória de seis meses, não paga ninguém em seis meses. Em Alagoas, o governo só vai pagar quem tem até R$ 50 mil e depois discute o restante”, disse.

“Então, os estados estão passando por situação difícil. Aqui, o governador Pedro Taques está pagando suas dívidas em dia e ainda se propôs a organizar o pagamento dos restos a pagar, em três modalidades”, completou.

De acordo com Wilson, desta forma, o Governo está dizendo como pode pagar, de que forma e quanto tem para ser pago.

“Eu sonhava que, no segundo dia de Governo, pudesse pagar tudo, mas a situação não é tão simples assim. Pelo menos o Governo se apresenta, dizendo o que ele tem em caixa e de que forma pretende pagar a divida do ex-governador Silval Barbosa”, finalizou.

Polêmicas

O “Bom Pagador” tem sido alvo de discussões no Legislativo. O deputado Emanuel Pinheiro (PR), por exemplo, tem afirmado que o projeto seria um “excesso de zelo” por parte do governador.

Ainda segundo ele, a medida seria equivocada, desrespeitosa aos credores do Estado e que estaria “emperrando” Mato Grosso.

O líder do Governo, deputado Wilson Santos, por sua vez, disse que não há que se falar em excesso de zelo, já que o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) deixou o Executivo “em meio a uma série de denúncias de irregularidades”.

Fonte: Do Mídia News

Tem algo a dizer sobre essa matéria?