Você está lendo:
“Roda, roda e caímos na Rêmora; desvio de R$ 56 milhões é mentira”

“Roda, roda e caímos na Rêmora; desvio de R$ 56 milhões é mentira”

“Existe um trabalho da Controladoria que demonstra que o valor não passa de R$ 1 milhão”, disse

O governador Pedro Taques (PSDB) voltou a negar que a Secretaria de Educação tenha sofrido um desvio de R$ 56 milhões nas fraudes investigadas pela Operação Rêmora.

Em entrevista à rádio Vila Real, na manhã desta terça-feira (17), o tucano também comentou sobre a delação do empresário Alan Malouf (leia mais abaixo).

Segundo o governador, uma auditoria realizada pela Controladoria Geral do Estado (CGE-MT), ainda em 2016, nas obras licitadas e contratadas pela Seduc – e investigadas na Operação Rêmora – identificou dano potencial de quase R$ 1 milhão aos cofres públicos.

“Roda, roda, roda e caímos na questão da Rêmora. Quando se fala em desvio de R$ 56 milhões, é mentira. Existe um trabalho da Controladoria que demonstra que o valor não passa de R$ 1 milhão. Mas, se fosse R$ 1 seria grave da mesma forma”, disse.

Na última semana, a deputada Janaina Riva (MDB) voltou a citar o assunto em um embate com o vice-líder do Governo na Assembleia Legislativa, Wilson Santos (PSDB). Segundo ela, os desvios investigados foram de R$ 56 milhões.

De fato, os certames investigados na Operação somam R$ 56 milhões. Entretanto, nem todos os valores foram e executados.

“Não interessa o valor do dinheiro, se foi roubado tem que devolver”, disse Taques.

O governador ainda ressaltou já ter prestado contas sobre o assunto.

“Eu não tenho nada a ver com a Rêmora. Já respondi ao Supremo, eu já prestei contas. Toda semana vem a mesma afirmação. Eu não roubei R$ 1”, afirmou.

 

Delação de Malouf

O governador ainda comentou de maneira rápida a suposta delação do empresário Alan Malouf.

Conforme adiantou a coluna Fogo Amigo, do MidiaNews, Malouf aguarda o posicionamento do STF sobre a homologação, ou não, de sua delação premiada. Ele diz ter agido como arrecadador de dinheiro e espécie de tesoureiro durante campanha de Taques.

O governador defendeu que a delação do empresário, caso exista, seja investigada.

“Essa delação, e qualquer delação, precisa ser investigada, precisa ser analisa. E se tiver coisa errada, espero que os responsáveis sejam punidos”, resumiu.

 

Rádio Tangará com Mídia News