Você está lendo:
Secretaria de Cultura é finalista em prêmio nacional:

Secretaria de Cultura é finalista em prêmio nacional:

Iniciativa oferta à sociedade a produção científica da Comissão Rondon.

A Secretaria de Estado de Cultura (SEC) é finalista na 29ª edição do prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade/2016. Promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 1987, o prêmio de caráter nacional reconhece as ações de preservação do patrimônio cultural brasileiro que tenham relevância pública. A SEC concorre com o projeto ‘O Brasil pelos brasileiros: digitalização da produção científica da Comissão Rondon’.

A ação da Secretaria de Cultura foi inscrita na categoria I que engloba iniciativas de excelência em técnicas de preservação e salvaguarda do patrimônio cultural, e tem por objetivo tornar acessível à sociedade o trabalho científico da Comissão das Linhas Telegráficas e Estratégicas e do Conselho Nacional de Proteção aos Índios e Trabalhadores Nacionais (SPITN), com veiculação digital dos Relatórios Científicos e sua divulgação em âmbito regional e nacional.

Estudos e pesquisas desenvolvidos no Projeto Rondon foram publicados entre a primeira década do século XX até aproximadamente a década de 1950, sendo ao todo cerca de 120 trabalhos. “Desse total, a maioria se encontra hoje em domínio público, mas de modo disperso. A iniciativa da SEC buscou preservar e democratizar este precioso e raro acervo”, explica a coordenadora de Patrimônio Cultural da Secretaria de Estado de Cultura, Fernanda Quixabeira.

Após intensa pesquisa na Universidade Federal de Mato Grosso, Arquivo Público, Casa Barão de Melgaço e Biblioteca Pública Estadual Estevão de Mendonça, foram localizados 86 relatórios que preservam a produção científica da Comissão Rondon.

O material foi digitalizado e compilado em um livro explicativo, que vem acompanhado de dois CDs com as imagens. Após o lançamento do livro, o projeto estará disponível online no site da SEC para consulta. A curadoria é da historiadora Elizabeth Madureira, da Academia Mato-grossense de Letras (AML) e Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso (IHGMT).

O prêmio

A edição de 2016 do prêmio Rodrigo Melo Franco Andrade contemplará oito projetos com o valor de R$ 30 mil, sendo quatro em cada uma das duas categorias. A segunda categoria é voltada a iniciativas de excelência em promoção e gestão compartilhada do patrimônio cultural.

Entre os 220 projetos inscritos neste ano, 60 propostas de 22 estados brasileiros e o Distrito Federal serão analisadas pela Comissão Nacional de Avaliação formada por professores, especialistas e membros de organizações civis que trabalham e atuam na área do patrimônio cultural. A etapa final acontece nos dias 27 e 28 de julho, quando a comissão se reunirá na sede do Iphan, em Brasília, para definir os oito vencedores.

O Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade 2016 homenageia o Samba de Roda do Recôncavo Baiano, no ano em que se completam os 100 anos de gravação do primeiro samba. Este bem cultural foi inscrito no Livro de Registro das Formas de Expressão em 2004 e foi reconhecido pela Unesco como Patrimônio da Humanidade em 2005.

Rodrigo Melo Franco de Andrade, personalidade que dá nome ao prêmio, foi um advogado, jornalista e escritor. Nascido em 17 de agosto de 1898, em Belo Horizonte, foi redator-chefe e diretor da Revista do Brasil e, na política, foi chefe de gabinete de Francisco Campos, atuando na equipe que integrou o Ministério da Educação e Saúde do governo Getúlio Vargas. O grupo era formado por intelectuais e artistas herdeiros dos ideais da Semana de 1922. Rodrigo Melo Franco de Andrade comandou o Iphan desde sua fundação em 1937, até 1967.