Menu
Seções
Taques diz que há espaço para impeachment da presidente Dilma
julho 22, 2015 Destaques

Em entrevista ao Blog do Josias, no UOL, governador de MT compara momento atual com a época de Collor

O governador Pedro Taques (PDT) afirmou que, no atual momento político do Brasil, há espaço para o impeachment da presidente Dilma Roussef (PT).

Em entrevista ao blog do jornalista Josias de Souza, no siteUOL, Taques disse que o país vive atualmente “um quadro assustador”, em comparação ao período em que o hoje senador Fernando Collor (PTB-AL) teve o mandato de presidente da República cassado, em 1992.

“Se comparamos o que ocorre no país hoje com o que se passava no Brasil na época de Fernando Collor, percebemos que estamos diante de um quadro assustador. Tudo agora é muito mais grave”, disse o governador.

O jornalista destaca o perfil de Taques como sendo defensor intransigente do afastamento do PDT da base aliada de Dilma Rousseff.

Por conta disso, o governador mato-grossense está perto de deixar o partido. O PSB e o PSDB são as opções.

Em 26 de maio de 1992, a Câmara Federal instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar as denúncias contra o homem de confiança de Collor, PC Farias (já falecido).

A ligação do esquema PC com a presidência foi confirmada por Francisco Eriberto Freire França, ex-motorista de Collor.

O processo de cassação foi aberto em 29 de setembro de 1992 e Collor foi afastado.

Horas antes de ser anunciado o impeachment, em 29 de dezembro de 1992, ele renunciou – uma manobra para voltar ao cargo ou, pelo menos, para não ser julgado pela Justiça Comum.

Mesmo assim, foi julgado por crime de responsabilidade e perdeu os direitos políticos por oito anos.

Leia abaixo a íntegra da reportagem do Blog do Josias ou clique AQUI:

‘Há espaço para impeachment’, afirma Taques

O governador de Mato Grosso, Pedro Taques, afirma que “existe espaço para o impeachment” de Dilma Rousseff.

Em conversa com o blog, ele declarou: “Se comparamos o que ocorre no país hoje com o que se passava no Brasil na época de Fernando Collor, percebemos que estamos diante de um quadro assustador. Tudo agora é muito mais grave.”

Ex-procurador da República e professor de Direito constitucional, Taques esmiuçou seu raciocínio: “A Constituição dá ao impeachment uma conformação política, atribuindo à Câmara o juízo de conveniência e oportunidade para abrir ou não o processo de impeachment. No momento, o TCU analisa as pedaladas fiscais e o TSE verifica as contas da campanha da presidente. Entendo que existe espaço para o impeachment, de acordo com artigo 85 da Constituição.”

Evocado pelo governador, o artigo constitucional 85 anota: “São crimes de responsabilidade os atos do presidente da República que atentem contra a Constituição Federal e, especialmente, contra: 1) a existência da União: 2) o livre exercício do Poder Legislativo, do Poder Judiciário, do Ministério Público e dos Poderes constitucionais das unidades da Federação; 3) o exercício dos direitos políticos, individuais e sociais; 4) a segurança interna do país; 5) a probidade na administração; 6) a lei orçamentária; e 7) o cumprimento das leis e das decisões judiciais.”

Antes de eleger-se governador, no ano passado, Taques era senador. Defendia que seu partido, o PDT, deixasse o governo, devolvendo para Dilma os cargos que ocupa, inclusive o posto de ministro do Trabalho.

Foi ignorado. Como a legenda não mudou, Taques decidiu tomar a iniciativa.

Avisou ao presidente do PDT federal, Carlos Lupi, que deixará o partido. Vai para o PSDB ou para o PSB.

A decisão será anunciada nos próximos dias.

Fonte: Do Mídia News

Comentários estão fechados
*