Você está lendo:
Veja a relação dos 22 suspeitos presos pela Polícia Civil
0

Veja a relação dos 22 suspeitos presos pela Polícia Civil

by newsmtsetembro 16, 2014

O inquérito policial foi instaurado em abril deste ano, após denúncia da Secretaria

A Polícia Civil confirmou o cumprimento de 20 dos 25 mandados de prisões temporárias, decretados para a operação “Alexandria”, deflagrada nesta segunda-feira (15). 

A Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra a Administração prendeu suspeitos de esquemas 

com

 verbas da área da Cultura.

Eles foram presos em Cuiabá, Rondonópolis, Primavera do Leste, Nova Monte Verde, São José dos Quatro Marcos, Mirassol D´Oeste e Paranatinga.

A operação também cumpriu 7 buscas e apreensão e duas pessoas foram conduzidas coercitivamente para interrogatório.

Outro conselheiro da Secretaria de Cultura, identificado como Pedro Luiz Damas da Cunha, também é suspeito de fraudar projetos e depôs nesta tarde aos delegados da Delegacia Fazendária.

Todos os envolvidos na investigação vão responder por crimes de bando ou quadrilha, peculato desvio, ameaça, crimes contra a fé pública e lavagem de dinheiro.

“A partir da liberação desses recursos se transferia ou sacava esse dinheiro, em espécie no banco, e esse dinheiro era repassado em pouca quantidade ao proponente ‘laranja'”


O inquérito policial foi instaurado em abril deste ano, a partir de uma denúncia feita pela então secretária de Estado de Cultura, Janete Riva, para apurar fraudes e desvios de recursos públicos obtidos por meio do Programa de Apoio à Cultura (Proac), nos anos 2012, 2013 e 2014.

Segundo a Polícia Civil, um dos principais articuladores do esquema é o conselheiro Alceu Marcial Cazarin e sua mulher, Elaine Cristina da Silva Naves. Segundo as investigações, eles geriram projetos no valor de R$ 1 milhão.

“As fraudes deram início através da participação de um dos conselheiros, que estava captando pessoas e montando projetos culturais, utilizando de proponentes, de produtores culturais frios, pessoas que não eram produtoras culturais. A partir daí se montava a documentação para aprovar projetos de música, de audiovisual, de dança, de vários gêneros”, afirmou o delegado Gianmarco Paccola Capoani.

Segundo ele, foram analisados 541 projetos culturais, sendo 337 da Secretaria de Estado de Cultura de Mato Grosso, 

com

movimentação total de R$ 15 milhões de recursos do Proac, dos quais a Polícia Civil identificou irregularidades em 49 projetos. 

Já na Secretaria de Cultura do município foram analisados 204 projetos, com aproximadamente R$ 3,5 milhões em recursos envolvidos. Destes 204, 8 apresentaram irregularidades

“A partir da liberação desses recursos se transferia ou sacava esse dinheiro, em espécie no banco, e esse dinheiro era repassado em pouca quantidade ao proponente, ‘laranja’, e retornando ao conselheiro principal da quadrilha já identificado no inquérito”, afirmou.

O delegado também informou que após a deflagração da operação, a Polícia Civil chegou a participação de um segundo conselheiro, que teria também lucrado com as fraudes em projetos culturais. 

“Tem um outro nome de um segundo conselheiro, que temos convicção de envolvimento nas fraudes”, disse o delegado.

Modus operandis

“Algumas pessoas têm envolvimento um pouco maior, e algumas na abertura da conta e na movimentação financeira”


O delegado informou que há fortes indícios da existência de uma quadrilha que tem com “modus operandi” a captação de pessoas “laranjas” e subsequente “montagem” de projetos culturais “frios”, seguindo-se de seus respectivos pagamentos pelos cofres públicos a estas “laranjas”, que por sua vez repassam quase a totalidade dos valores aos líderes do bando, os quais contam ainda com o apoio de familiares para lavar o dinheiro.

“Algumas pessoas têm envolvimento um pouco maior e algumas na abertura da conta e na movimentação financeira. Não são artistas, alguns tem ligações com a cultura, mas não são considerados produtores culturais. São pessoas de classe média, algumas mais simples, alguns mal saber ler, outras mais esclarecidas. Não tem um padrão”, disse. 

Nome 

A operação leva o nome da cidade egípcia Alexandria, uma das cidades mais importante do mundo, fundada por Alexandre, o Grande. A cidade é considerada o celeiro da cultura e onde está a maior biblioteca do mundo, a Biblioteca de Alexandria.

Confira a relação de detidos fornecida pela Polícia Civil:


1. ALCEU MARCIAL CAZARIN (Conselheiro)

2. ELAINE CRISTINA DA SILVA NAVES (mulher do conselheiro)

3. ELBEN ARRUDA DE CAMARGO

4. EDVAN CONCEIÇÃO

5. ELIZETE MARIA DOS SANTOS

6. MARIO LUIS DOS SANTOS FERREIRA

7. EMANUELLE RENNER SILVEIRA

8. LEONARDO RENNER SILVEIRA

9. CHARLES FRANCISCO COSTA

10. WILLIAM DIAS CARDOSO SILVA

11. DOUGLAS SEBASTIÃO DE ALMEIDA

12. MAYKEL HENRIQUE CAZARIM

13. MARCOS AURELIO DO PRADO

14. HELLEN CRISTINA EVANGELISTA DA CONCEIÇÃO

15. SEBASTIÃO RODRIGUES DE ARRUDA

16. LEIDIANE ELOIZA FIRMINO

17. LAURA DE FIGUEIREDO SCHARRFF

18. LUIZ CARLOS PINTO ALVES

19. ELIEL ALVES DE SOUSA

20. MARILENE PEREIRA DIAS

21- ANA PAULA DA SILVA ALVES

22- IOLANDA DA SILVA

Midianews

About The Author
newsmt

Tem algo a dizer sobre essa matéria?