Você está lendo:
Conselho Regional de Odontologia alerta para o diagnóstico precoce do câncer de boca:
0

Conselho Regional de Odontologia alerta para o diagnóstico precoce do câncer de boca:

by Radio Tangarájunho 28, 2016

conselho-regional-de-odontologia-alerta-para-o-diagnostico-precoce-do-cancer-de-boca

No processo de diagnóstico de uma doença é imprescindível a realização de um exame físico minucioso, bem como a solicitação de exames complementares específicos. Da mesma forma, é preciso educar a população e reforçar o incentivo ao autoexame.

Este é um dos alertas do Conselho Regional de Odontologia de Mato Grosso (CRO-MT), que será reforçado durante a “4ª Corrida do Combate ao Câncer de Boca” e “2ª Corrida do Cirurgião-Dentista” no dia 10 de julho.
Por meio de uma abordagem preventiva é possível monitorar a saúde bucal, prevenir e diagnosticar precocemente lesões orais de maneira eficaz. Inclusive, dessa forma, facilita-se a detecção de casos suspeitos de câncer de boca – o que possibilita chance de cura entre 80% a 90% destes. Pessoas com maior risco para desenvolver a doença (fumantes e consumidores frequentes de bebidas alcoólicas) devem ter cuidado redobrado.
De acordo com o presidente do CRO-MT, Luiz Evaristo Ricci Volpato, tanto o autoexame quanto o olhar integral por parte do profissional em relação à saúde geral do paciente são primordiais. “Observar se os lábios ou a língua estão com coloração diferente, a mucosa e gengivas com outra textura, se algum dente amoleceu ou se uma afta não cicatriza há mais de 15 dias podem ser indícios de que algo está errado”, enfatiza.
Tanto os cirurgiões-dentistas quanto a população já estão se conscientizando sobre a necessidade em se realizar um check-up periódico para garantir a saúde bucal. “Quando um paciente se depara com qualquer alteração na boca, a primeira coisa que ele faz é procurar um cirurgião-dentista. Isso é bom. Mesmo assim, é importante fazer o exame preventivo periodicamente. Se possível, de seis em seis meses”, destaca o cirurgião-dentista Arlindo Aburad.
Doutor em Patologia Bucal pela USP, Aburad complementa: “fico feliz em observar que existem muitos profissionais qualificados no assunto pelo Estado. Contudo, ainda não é a maioria. Precisamos incentivar mais e amplificar a realização de exames preventivos – quando necessário, as biópsias”.
Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), estima-se que em 2016 haverá 11.280 novos casos de câncer de boca em homens e 4.010 em mulheres no país. Em Mato Grosso, a perspectiva é de 120 novos casos em homens e 40 em mulheres, considerando as taxas brutas de incidência por 100 mil habitantes.
AUTOEXAME – O paciente deve realizar um autoexame em um local bem iluminado e diante do espelho bem próximo do rosto. O primeiro passo é remover as próteses (dentaduras ou próteses parciais removíveis), fazer uma boa higienização, escovar dentes, língua e a parte interna das bochechas. Em seguida, observar a pele do rosto e pescoço, avaliando a presença de manchas ou pintas atípicas na região.
No caso dos lábios, o paciente deve verificar se há ulcerações com bordas endurecidas, feridas ou áreas dormentes. Qualquer ulceração deve ter um prazo de cerca de quinze dias para cicatrizar. Na parte inferior da boca e das bochechas podem surgir manchas esbranquiçadas, caroços, áreas dormentes, presença de úlceras ou manchas arroxeadas. Na língua e gengiva, é necessário observar a coloração, presença de aftas, ulcerações, aparecimento de caroços, áreas dormentes ou dolorosas.

About The Author
Radio Tangará