Você está lendo:
ELEIÇÃO DA MESA: Candidato à presidência quer auditoria em contratos da AL
0

ELEIÇÃO DA MESA: Candidato à presidência quer auditoria em contratos da AL

by newsmtjaneiro 22, 2015

Emanuel Pinheiro encabeça, ao lado de Eduardo Botelho, uma das chapas que disputa a presidência da Casa

O deputado estadual e candidato à presidência da Assembleia Legislativa para o biênio 2015/2016, Emanuel Pinheiro (PR), afirmou que, se eleito, fará uma auditoria nos contratos da Casa.

Ele negou, no entanto, que a medida representaria qualquer tipo de “caça às bruxas” no Legislativo.

“Auditoria é uma necessidade imperiosa. É necessário que possamos fazer um exame cuidadoso e sistemático de todas as atividades desenvolvidas internamente na Assembleia”, disse ele, em entrevista ao MidiaNews.

Pinheiro explicou que pretende fazer um levantamento completo sobre o quadro de servidores da Casa, bem como um balanço dos contratos e convênios firmados pela Assembleia nos últimos anos.

“Auditoria é uma necessidade imperiosa. […] É necessário que possamos fazer um exame cuidadoso e sistemático de todas as atividades desenvolvidas internamente na Assembleia”

“Eu preciso ter em mãos um relatório completo da realidade econômica, administrativa e financeira da Assembleia. Isso você só consegue com uma auditoria isenta e séria  Faremos auditoria, e não caça às bruxas”, disse o parlamentar.

O republicano afirmou, ainda, que as medidas são necessárias para que seja um iniciado um “ciclo de transparência e renovação” na Assembleia, que, segundo ele, estaria alinhado ao modelo de administração implementado pelo governador Pedro Taques (PDT) no Executivo.

Apesar da proximidade nos discursos, Pinheiro destacou a independência dos poderes Legislativo e Executivo. Ele também negou qualquer interferência do governador nas discussões sobre a Mesa Diretora.

“A nossa chapa está inspirada e lincada naquilo que Pedro Taques representa hoje de mudança, renovação e de transformação na política do nosso Estado. Isso, sem dúvida, tem a simpatia dele, a simpatia do secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques. Mas, longe disso, fazer com que ele escolha a nossa chapa e que ele, por isso, ajude a nossa chapa. Ele tem respeitado os deputados e respeitado os companheiros. Creio que ele vai se manter numa posição de magistrado, querendo o melhor para o Poder Legislativo, e não vai, democrata que é, interferir no processo”, afirmou.

Confira os principais trechos da entrevista do deputado Emanuel Pinheiro:

MidiaNews: Como o senhor analisa o quadro atual da disputa pela Mesa Diretora? Especificamente, em relação à sua candidatura e à sua chapa. Foi publicada uma relação de 12 nomes que estariam lhe apoiando? De fato, o número é esse?

Emanuel Pinheiro: Necessariamente, os nomes podem até não ser aqueles 100%, mas o número está exatamente correto. São doze deputados que hoje nos apoiam e que, conosco, estão representando esse sentimento de mudança. Esse sentimento de um novo ciclo que a Assembleia Legislativa terá que liderar e desenvolver, como caixa de ressonância da sociedade. Um novo ciclo em apoio ao novo momento político administrativo que Mato Grosso vive, sob a liderança do governador Pedro Taques (PDT); momento de mudança, de transformação, de aproximação da sociedade e que possa prevalecer, não apenas o resgate da credibilidade do Poder Legislativo e a aproximação do Legislativo com o cidadão, mas, principalmente, o Poder Legislativo como polo convergente dos grandes temas, dos grandes debates e dos grandes embates de interesse da sociedade.

MidiaNews: O novo momento na Assembleia significa, por exemplo, redução de duodécimo, redução de folha salarial e mais transparência?

Emanuel Pinheiro: Isso. Indiscutivelmente, o novo momento passa por compromissos que devemos assumir entre os deputados, mas especialmente com a sociedade. Compromissos que já estão na nossa carta compromisso e que são o sustentáculo da nossa candidatura. Como, por exemplo, a transparência na movimentação financeira quadrimestral, a divulgação anual da renda de todos os servidores efetivos e comissionados, a redução significativa do duodécimo, o impedimento da reeleição, principalmente do presidente e do primeiro secretário, para qualquer cargo da Mesa no biênio subsequente – como forma de reoxigenar e garantir a alternância de poder na Assembleia –, e a criação de atribuições e funções para todos os demais cargos da Mesa, que hoje são apenas peça decorativa.

“O governador tem se portado como um estadista, um magistrado, respeitando o posicionamento de cada deputado. Tanto ele, como o secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques tem demonstrado apreço com a independência do Poder Legislativo, mas prezando pela harmonia entre os poderes”

Dessa forma, todos os membros estariam participando efetivamente da construção do novo Legislativo. Esses são os motes, são a base de uma série de outras medidas de transparência, de alternância e renovação que queremos fazer na Assembleia Legislativa de Mato Grosso.

MidiaNews: Nesse momento, há uma dúvida e uma discussão sobre a participação do governador Pedro Taques nesse processo. Alguns dizem que ele está participando ativamente, por meio do secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, que tem se reunido com deputados para tratar especificamente desse assunto. No caso específico, o senhor admite que conta com esse respaldo e apoio do governador?

Emanuel Pinheiro: O governador tem se portado como um estadista, um magistrado, respeitando o posicionamento de cada deputado. Tanto ele, como o secretário da Casa Civil, Paulo Taques, têm demonstrado apreço com a independência do Poder Legislativo, mas prezando pela harmonia entre os poderes. Então, nós temos uma sintonia, uma afinidade muito grande. Tenho muito respeito e acredito no projeto e na proposta que o Pedro Taques representa para esse novo momento histórico de Mato Grosso. E ele também tem essa devida noção da importância da Assembleia para ajudá-lo a fazer aquilo que Mato Grosso precisa, aquilo que ele se comprometeu em praças públicas e aquilo para o qual a sua eleição foi destinada. Creio que ele vai se manter numa posição de magistrado, querendo o melhor para o Poder Legislativo e não vai, democrata que é, interferir no processo.

MidiaNews: A informação é que ele conversou com o senhor na semana passada. Em algum momento, ele declarou apoio à sua chapa?

Emanuel Pinheiro: Ele sempre diz que vê com muita simpatia o nosso trabalho, a desenvoltura da nossa chapa, as nossas propostas. Ele está muito atento às propostas que a nossa chapa representa. A chapa, inclusive, tem o nome do seu tema, do seu mote de campanha: “Coragem e Atitude para Mudar”. A nossa chapa está inspirada e lincada naquilo que Pedro Taques representa hoje de mudança, renovação e de transformação na política do nosso Estado. Isso, sem dúvida, tem a simpatia dele, a simpatia do secretário-chefe da Casa Civil. Mas, longe disso, fazer com que ele escolha a nossa chapa e que ele venha, por isso, ajudando a nossa chapa. Ele tem respeitado os deputados e respeitado os companheiros. Inclusive, existem companheiros que o ajudaram a se eleger governador nas duas chapas. Então, ele tem respeitado bastante esse contexto.

MidiaNews: Os deputados que apoiam o candidato Guilherme Maluf – e o próprio candidato – disseram que contam com a simpatia do governador Pedro Taques, uma vez que ele também é do grupo que ajudou a eleger o governador…

Emanuel Pinheiro: O governador, com certeza, continuará acompanhando, dialogando com os deputados e vai continuar se posicionando como um magistrado, como um estadista. A gente tem confiança de que ele acompanhe com muita expectativa, expectativa altamente favorável a desenvoltura da nossa chapa, principalmente pelas propostas. Tenho a certeza que o governador tem expectativa positiva com a nossa chapa, com as propostas, que estão todas elas ligadas e inspiradas naquilo que ele vem fazendo no Executivo, naquilo que vem implementando e executando no Executivo, que representa mudança, transformação e quebra de paradigmas.

MidiaNews: Se eleito, o senhor fará uma auditoria na Assembleia referente aos dois últimos anos da atual Mesa Diretora? Auditorias nas contas, nos contratos, nos gastos…

“Faremos auditorias e não caça às bruxas. Há uma diferença muito grande, querer falar que auditoria é caça às bruxas é tapar o sol com a peneira”

Emanuel Pinheiro: Auditoria é uma necessidade imperiosa. Eu não digo nem nos últimos dois anos, nós não pretendemos administrar olhando no retrovisor. Vamos olhar para o futuro, mas é necessário, até para que possamos fazer uma gestão lincada com o novo momento, como o governador Pedro Taques vem fazendo no Estado. É necessário que possamos fazer um exame cuidadoso e sistemático de todas as atividades desenvolvidas internamente na Assembleia.

MidiaNews: Isso em relação aos últimos meses?

Emanuel Pinheiro: Em relação aos últimos anos. É necessária uma auditoria até para que eu possa implementar o discurso de transparência e de redução de duodécimo, por exemplo. Eu preciso saber a realidade financeira e administrativa da Casa. Eu preciso ter o quadro completo de servidores, de folha de pagamento, de servidores efetivos e comissionados, de contratos, de prestação de serviços, de convênios. Ou seja, eu preciso ter em mãos um relatório completo da realidade econômica, administrativa e financeira da Assembleia. Isso você só consegue com uma auditoria isenta, séria e que tenha por base, nos dar subsídios para preparar esse novo ciclo que a Assembleia estará vivendo.

MidiaNews: O comentário é de que o senhor poderia fazer uma “caça às bruxas” com essa postura de fazer essa auditoria. Procede?

Emanuel Pinheiro: Em hipótese alguma. Faremos auditorias, e não caça às bruxas. Há uma diferença muito grande, querer falar que auditoria é caça às bruxas é tapar o sol com a peneira. Nós não vamos promover a caça às bruxas, mas vamos fazer uma auditoria, porque, definitivamente, não tem como fazer mudanças profundas e significativas para o Poder Legislativo, como a nossa chapa se propõe, sem uma auditoria completa, cuidadosa e sistemática para sabermos realmente a realidade do equilíbrio financeiro da Casa. A caça às bruxas é uma visão pequena, uma visão retrógrada.

 

Fonte: CAMILA RIBEIRO

About The Author
newsmt

Tem algo a dizer sobre essa matéria?