Você está lendo:
Gaeco libera 19 servidores, mas não descarta novas prisões
0

Gaeco libera 19 servidores, mas não descarta novas prisões

by newsmtsetembro 28, 2015

Três pessoas continuam presas e serão ouvidas novamente pelos promotores do Ministério Público

 O Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual, já liberou 19 dos 22 servidores e ex-servidores da Assembleia Legislativa de Mato Grosso que foram presos durante a Operação Metástase, deflagrada na última quarta-feira (23).

Continuam presos Hilton Carlos da Costa Campos, Geraldo Lauro e Maria Helena Ribeiro Ayres Caramelo – sendo que os dois últimos estavam lotados no gabinete do deputado Gilmar Fabris (PSD).

Hilton Carlos, por sua vez, é empresário e não teria vínculo com a Assembleia Legislativa.

Eles tiveram as prisões prorrogadas e serão ouvidos novamente durante esta semana.

Conforme o Gaeco, os três seriam peças estratégicas para efetuarem os esquemas fraudulentos no Parlamento Estadual.

Ainda segundo o Gaeco, o trio pode “entregar” os líderes da organização criminosa que desviou R$ 2 milhões de verba de suplementos do Legislativo.

O Grupo de Atuação contra o Crime Organizado não descarta, também, a realização de novas prisões na operação.

O esquema

Os mandados de prisões foram expedidos pela juíza Selma Arruda, da Vara Contra o Crime Organizado da Capital.

Todos são acusados de integrar uma suposta organização criminosa que teria desviado R$ 2 milhões de verba de suplementos do Legislativo, entre os anos de 2011 e 2014.

Conforme o coordenador do Gaeco, promotor Marco Aurélio, as fraudes ocorreram por meio de compras fictícias, como de marmitas e materiais gráficos, com a emissão de notas fiscais falsas, para justificar o uso do dinheiro.

“Os valores eram depositados em conta-corrente e eles faziam as compras, unicamente, para justificar a utilização da verba e movimentar um sistema de corrupção na Assembleia”, explicou o chefe do Gaeco.

O promotor também disse que o objetivo da operação é identificar os líderes da organização criminosa e descobrir para onde o dinheiro foi desviado.

A verba, de R$ 4 mil por servidor, era concedida mensalmente aos servidores dos gabinetes dos deputados para compras em geral e custeio de outros serviços.

O benefício foi extinto pela atual Mesa Diretora da Assembleia.

Veja quem já foi liberado:

01 – WILLIAN CESAR DE MORAES

02 – TALVANY NEIVERTH

03 – MARIO MARCIO DA SILVA ALBUQUERQUE

04 – FELIPE JOSÉ CASARIL

05 – AGENOR JACOMO CLIVATI JUNIOR

06 – ATAIL PEREIRA DOS REIS

07 – MARIA HLENKA RUDY

08 – TANIA MARA ARANTES FIGUEIRA

09 – FRANK ANTONIO DA SILVA

10 – ABEMAEL COSTA NETO

11 – SERVIO TULIO MIGUEIS JACOB

12 – LAIS MARQUES DE ALMEIDA

13 – MARISOL CASTRO SODRÉ

14 – ANA MARTINS DE ARAUJO PONTELLI

15 – JOÃO LUQUESI ALVES

16 – JOSÉ PAULO FERNANDES DE OLIVEIRA

17 – LEONICE BATISTA DE OLIVEIRA

18 – VINICIUS PRADO SILVEIRA

19 – ODENILTON GONÇALO CARVALHO CAMPOS

Fonte: Do Mídia News

About The Author
newsmt