Você está lendo:
Inpe confirma aumento em 38% nas queimadas em Mato Grosso; Nova Ubiratã deixou de liderar ranking
0

Inpe confirma aumento em 38% nas queimadas em Mato Grosso; Nova Ubiratã deixou de liderar ranking

by newsmtagosto 19, 2015

Os primeiros 33 dias do período proibitivo para as queimadas em Mato Grosso teve um acréscimo de 38% no número de focos de calor segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Especiais (Inpe).

De primeiro de janeiro a 18 de agosto houve um total de 9.095 focos, dos quais 3.430 entre 15 de julho e hoje. O município de Colniza (1.065 km a noroeste de Cuiabá) está no topo do ranking, com 370 registros (ou 10% do total de julho a agosto), seguido por outras 14 cidades, que representam 54% ou 1.854 focos de calor até o momento.

Esse aumento pode ter relação com o período de estiagem que já varia de 40 a 60 dias em diversos municípios do Estado.

Apesar do Decreto nº 191, publicado no dia 15 de julho, proibindo a utilização do fogo para limpeza e manejo de áreas até o dia 15 de setembro, podendo ser prorrogado em razão das condições climáticas, algumas cidades tiveram aumento de registros dos focos, entre elas, estão: Alto da Boa Vista, Comodoro, São Félix do Araguaia, Gaúcha do Norte, Novo Mundo, Apiacás, Campinápolis, Vila Bela da Santíssima Trindate, Juara e Barão de Melgaço, Tangará da Serra, Cotriguaçu, Porto Alegre do Norte e Barra do Garças.

Esse quadro de aumento ainda não repercutiu negativamente na qualidade do ar. Conforme o monitoramento do Laboratório de Ensaios da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), entre 15 de julho e 09 de agosto, todos os municípios mostraram ‘boa qualidade do ar’. Apenas no mês de junho, Juara, Sinop e Sorriso tiveram problemas de inadequação.

Apesar dos números negativos á nível de Estado, Nova Ubiratã felizmente deixou de liderar o ranking das cidades com maior reincidência de queimadas, conforme apontam os dados do Inpe.

De acordo com a Secretária de Agricultura e Meio Ambiente de Nova Ubiratã, Jaqueline Amaral, o poder público tem investido em campanhas de conscientização junto ás famílias que residem na zona rural.

“Desde antes de iniciar o período proibitivo nós já estávamos alertando os pequenos produtores sobre os malefícios causados com as queimadas, além de alertar é claro sobre as multas que chegam a até R$ 7,5 mil reais por hectares, no caso das pastagens agrícolas”, afirmou a responsável pela pasta que ainda alertou.

“Apesar da boa notícia da diminuição de focos de calor em Nova Ubiratã a população não pode se descuidar, precisamos redobrar a atenção, infelizmente em algumas comunidades rurais do município os incêndios criminosos trouxeram prejuízos e isso precisa ser evitado”, relatou.

Os responsáveis pelo setor no município aconselham que os produtores adotem algumas medidas de prevenção, como por exemplo, a prática do ‘aceiro’, que é a limpeza de uma determinada faixa de solo, deixando assim o terreno descoberto, o que impede que o fogo ultrapasse a área em caso de queimadas, ou até mesmo a construção de locais para a captação de água.

Nos casos dos terrenos urbanos as queimadas são proibidas durante todo o ano, havendo desrespeito a lei os autores, se flagrados, também podem ser punidos.

As fiscalizações são feitas em parceria entre os governos federal, estadual e municipal, o que tende a facilitar as denuncias que podem ser feitas através dos telefones, (66) 3570 1602 (Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente), e/ou  0800 65 3838 (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Sema).

[Best_Wordpress_Gallery id=”15″ gal_title=”Inpe confirma aumento em 38% nas queimadas em Mato Grosso; Nova Ubiratã deixou de liderar ranking”]

Com informações Inpe e Sema.

Fonte: Assessoria de Imprensa

 

About The Author
newsmt