Você está lendo:
“Não tachei nenhum partido como leproso", rebate Leitão
0

“Não tachei nenhum partido como leproso", rebate Leitão

by newsmtfevereiro 5, 2016

Apesar disso, parlamentar federal diz que prefere não se aliar ao PMDB

O presidente regional do PSDB, deputado federal Nilson Leitão, negou nesta quinta-feira (04) que esteja tratando o PMDB como “leproso”, nas discussões sobre a eleição de 2016.

O apontamento foi feito pelo deputado estadual Romoaldo Junior (PMDB), que, em entrevista ao MidiaNews, afirmou que caso o posicionamento de Leitão seja compartilhado pelo governador Pedro Taques (PSDB), irá declarar, oficialmente, o PMDB como oposição à atual gestão.

Segundo o deputado tucano, seu partido tem mantido um posicionamento oposto ao PMDB desde o início da gestão do ex-governador Blairo Maggi (PR).

“Não tachei nenhum partido como leproso. Cada um se sente como se acha. Eu tenho maior respeito pelo deputado Romoaldo e por todos os partidos. Agora, o PSDB tem uma decisão interna. Não posso deixar que o PMDB decida pelo PSDB e nem posso decidir pelo PMDB”, afirmou Leitão.

“Mas o PSDB escolheu um lado há 12 anos, há 14 anos. O PSDB se manteve na oposição ao PMDB em toda sua história, desde a era Blairo Maggi. Não se iniciou agora, na campanha eleitoral do governador Pedro Taques. Nós disputamos com o PMDB e vencemos, justamente para apresentar um novo modelo de Governo”, disse.

Para Leitão, não seria coerente, agora, estar no mesmo palanque que o PMDB.

No entanto, ele negou que essa seja uma discussão pessoalizada, conforme apontado por Romoaldo.

Para Leitão, o principal fator que afasta as siglas é o modo de governar do outro partido.

“É menos pela situação do Silval Barbosa, porque isso é uma questão de Justiça. Não vamos pessoalizar, nem personalizar a campanha eleitoral de 2016 e 2018. Mas muito pelo modelo de Governo aplicado. Se eu não queria aquele modelo de governar para o Estado de Mato Grosso, também não vou querer para os municípios”, afirmou.

“Então, não é nada pessoal, é uma decisão de conceito. Queremos um novo Governo e não queremos levar o eleitor nessa forma hipócrita de fazer política, de dizer ‘não concordamos com o que você faz, mas queremos andar junto devido ao seu tempo de televisão’”, disse.

De acordo com o deputado, as discussões sobre alianças nas eleições deste ano deverão ter início somente após o carnaval.

“Mas não acredito que seja veto. A interpretação está sendo errada. O que disse, e tenho reiterado cada vez mais, é que o debate sobre as alianças municipais vão acontecer dentro dos municípios”, afirmou.

“Há um encaminhamento do PSDB nacional e do estadual que deverá ser feito após o carnaval. Não houve reunião da executiva. Agora, já foram debatidos conceitos. Prioritariamente, não temos intenção de ter alianças com PT e PMDB. Isso é uma prioridade. Mas isso será debatido caso a caso, cidade por cidade, Estado por Estado”, completou.

Leprosos

Em Cuiabá, o partido de Romoaldo tem se mostrando interessado em apoiar a provável candidatura à reeleição do prefeito Mauro Mendes (PSB), mas tem enfrentado resistência dos tucanos, liderados pelo governador Pedro Taques.

Para Romoaldo, o PMDB tem sido tratado como “leproso”.

“Ele [Nilson Leitão] está tratando o PMDB de Mato Grosso como leproso. Mas está esquecendo que o PMDB é um dos maiores partidos do Estado, tem milhares de filiados, muitos vereadores, muitos prefeitos. E muitos desses até tinham uma simpatia pela candidatura dele ao Senado em 2018”, disse.

“O PMDB tem três deputados que apoiam o Governo do Estado aqui. Mesmo com a posição independente, nós três temos apoiado. Então, vou conversar com o governador para saber se ele não tem mais interesse em ter o apoio da bancada do PMDB na Assembleia, porque está ficando constrangedor apoiar o Governo e ser, praticamente, impedido de estar no mesmo palanque que o PSDB”, afirmou.

O parlamentar disse acreditar que Leitão e membros da legenda tucana confundiram o PMDB com o ex-governador Silval Barbosa, preso desde 2015, acusado de chefiar um suposto esquema de cobrança de propina, por meio do Programa para o Desenvolvimento Industrial e Comercial de Mato Grosso (Prodeic).

FONTE: DOUGLAS TRIELLI E CAMILA RIBEIRO/MIDIA NEWS

About The Author
newsmt