Você está lendo:
Número de mortes por H1N1 chega a 19
0

Número de mortes por H1N1 chega a 19

by newsmtagosto 22, 2014

Mais 16 mortes por gripe foram registradas em Mato Grosso, em menos de um mês. No último balanço da Secretaria de Estado de Saúde (SES/MT) divulgado em julho, eram 21 mortes confirmadas. De acordo com os novos dados, o número de óbitos chega a 37 confirmados e 2 em processo de investigação. Das mortes já confirmadas, 19 ocorreram por H1N1. Cuiabá concentra o maior número de casos fatais, com 5 registros.

De 1º de janeiro a 20 de agosto de 2014, foram 211 notificações de casos de ocorrências de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), sendo 45 positivos para Influenza H1N1, 2 positivos para Influenza H3 Sazonal, 2 casos para Influenza B, 116 casos positivo para Síndrome Respiratória Aguda Grave não especificada, 6 casos de SRAG por outros agentes etiológicos, 3 casos inconclusivos e 37 casos em investigação.

Com relação ao vírus H1N1, Cuiabá aparece como o município que mais teve registros da doença, com 16 casos no período. Campinapólis é a segunda em número de casos, com 7, seguido de Várzea Grande que teve. Tangará da Serra teve 5 ocorrências e Comodoro 4. Rondonópolis e Paranatinga confirmaram 2 casos cada. As cidades de Rosário Oeste, Barra do Bugres, Lucas do Rio Verde, Juara, Tapurah, Guarantã do Norte e Jaciara registraram um caso em cada município desde o começo do ano.

Prevenção –  A orientação é sempre lavar bem as mãos e com frequência, em especial ao retornar para casa, antes de preparar e/ou consumir qualquer alimento, antes de qualquer serviço, depois de tossir ou espirrar, após usar o banheiro; lavar os brinquedos das crianças com mesmo quando não estiverem visivelmente sujos; restringir contato de familiares portadores de doenças crônicas e gestantescom o doente; e utilização de máscara pelo doente.

Além disso é recomendado evitar aglomerações de pessoas e ambientes fechados, em especial na época de epidemia; evitar tocar os olhos, nariz ou boca após contato com superfícies; evitar sair de casa enquanto estiver em período de transmissão da doença (ate 5 dias após o início dos sintomas); vacinação contra influenza para a prevenção da doença e suas consequências. A lavagem das mãos deve ser feita com utilização de sabão, lavando inclusive os espaços entre os dedos e os pulsos, durante no mínimo uns 15 segundos, enxaguando e secando com toalha limpa.

Letícia Kathucia, especial para o GD

About The Author
newsmt

Tem algo a dizer sobre essa matéria?