Você está lendo:
Pivetta diz que situação financeira de MT é de “desintegração”
0

Pivetta diz que situação financeira de MT é de “desintegração”

by newsmtnovembro 17, 2014

O coordenador de transição do governador eleito Pedro Taques (PDT), Otaviano Pivetta (PDT), afirmou que Mato Grosso encontra-se em alto “grau de desintegração”, quando analisado do ponto de vista financeiro.

Conforme o prefeito licenciado de Lucas do Rio Verde (354 km ao Norte de Cuiabá), a análise, feita com base em relatórios elaborados tanto pela equipe do atual governador Silval Barbosa (PMDB) como a de Taques, ainda é parcial, mas mostra uma realidade com problemas.

“O Estado encontra-se em um grau de desintegração. Tem muita coisa que a gente não consegue enxergar. Ainda”, admitiu.

“Temos uma boa relação com o Governo, estão nos atendendo, mas a velocidade com que as informações chegam não nos permite tirar as conclusões e ter segurança sobre tudo”, completou.

“O Estado encontra-se em um grau de desintegração. Tem muita coisa que a gente não consegue enxergar. Ainda”

Com diagnósticos ainda parciais, Pivetta também afirmou que é cedo para apontar os principais gargalos de Mato Grosso.

“No momento certo, vai ser apresentado isso. Eu não gostaria de falar. Estamos já há muitos dias trabalhando nisso. Temos 12 equipes trabalhando e não posso citar aqui um exemplo. Têm problemas nos números macros e eles mostram a dificuldade que vivemos”, disse.

“Nós, da equipe de transição, estamos trabalhando justamente para diminuir as despesas, para ver se conseguimos equilibrar o orçamento”

Com um dos indicativos da “dificuldade” citada no Poder Executivo, o prefeito apontou o orçamento previsto para Pedro Taques administrar no próximo ano.

“Se o próprio Governo encaminha para a Assembleia Legislativa um orçamento que prevê um déficit de mais de R$ bilhão para o ano que vem, imagina a quantidade de detalhes que tem no meio disso… Basta ver o problema como um todo”, avaliou.

De acordo com Pivetta e com base na previsão orçamentária, a meta é cortar o que não for prioritário.

“Nós, da equipe de transição, estamos trabalhando justamente para diminuir as despesas, para ver se conseguimos equilibrar o orçamento do ano que vem”.

Na semana passada, o prefeito já havia afirmado que pastas como Saúde, Educação e Segurança Pública não passariam por cortes, o restante, no entanto, poderia sofrer ajustes.

ISA SOUSA/MIDIA NEWS

About The Author
newsmt

Tem algo a dizer sobre essa matéria?