Menu
Seções
Primo de Bruno diz que corpo de Eliza Samudio está próximo ao aeroporto de Belo Horizonte
julho 24, 2014 Destaques

Em entrevista à Radio Tupi, ele negou a participação do goleiro no sequestro e na morte da ex-modelo

RIO – O primo do goleiro Bruno Fernandes das Dores de Souza, Jorge Rosa Sales, revelou nesta quinta-feira que o corpo da ex-modelo Eliza Samudio está enterrado num terreno próximo ao Aeroporto de Confins, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Em entrevista à Rádio Tupi, Jorge afirmou que Eliza foi torturada e morta por asfixia na casa de Marcos Aparecido dos Santos, o Bola. Ela foi enrolada num lençol e colocada dentro de um saco lacrado antes de ser levada até o local. Jorge, que era menor na época do crime, contou que Macarrão estava junto e conhecia bem a região para onde o corpo de Eliza foi levado.

— Ela não foi esquartejada. Só cortaram a mão dela. O corpo ficou inteiro — afirmou Jorge, acrescentando que o corpo foi transportado até o cemitério clandestino no porta-malas de um EcoSport.

O relato foi feito ao repórter Marcos Marinho. Segundo o jornalista, Jorge revelou como se chega ao terreno.

— O local fica próximo ao aeroporto. Antes de chegar ao local, passa um retorno, depois de três ruas, entra numa estrada de chão. É um lugar distante. Ela foi enterrada perto de um pé de coqueiro grande e único dentro do terreno. Mesmo se não tiver mais esse pé de coqueiro no local, eu sei onde ela (corpo de Eliza) está. O buraco onde ela foi enterrada foi feito por uma retroescavadeira para dificultar a localização do corpo — afirmou Jorge.

Jorge disse que ficou segurando o bebê enquanto Eliza era assassinada. Ele disse que não tinha como correr para pedir ajuda:

Jorge Luis, primo do goleiro Bruno. Imagem de 24/02/2013 – Reprodução / Agência O Globo

— Eu estava em Belo Horizonte e não sabia que aquilo ia acontecer. Eu não conhecia aquele lugar. Como eu ia sair para pedir ajuda? Como eu ia sair do local correndo? Não pude fazer nada porque o Bola é um psicopata, mata fácil. Fiquei com medo de sair para pedir ajuda — afirmou, negando a participação do goleiro no sequestro e na morte da ex-modelo.

Questionado porque só revelou a história depois de quatro anos, ele respondeu:

— Eu não sabia a pessoa certa para eu confiar para contar isso. Eu pensei muito. Me coloquei no lugar dela. De fazerem alguma coisa comigo. Isso não vai aliviar a pena do Bruno. Quero fazer a minha parte, mostrar onde ela está.

Ele disse que não ganhou dinheiro para participar do sequestro de Eliza Samudio.

De acordo com Jorge, o outro primo de Bruno, Sérgio Rosa Sales, que participou da reconstituição do crime e foi assassinado em 2012, teria sido morto por causa da morte da ex-modelo. Ele culpa Macarrão pela morte de Sérgio.

Macarrão conversa com advogados no quarto dia de júri – Fabiano Rocha / Extra / O Globo

— Ele falou demais — disse Jorge.

Desde o início do caso, Jorge mudou várias vezes de versão para o crime, e disse à Tupi ter mentido por orientação de seu então advogado, identificado como Elieser:

— Eu falando a verdade, eles não iam me soltar. Eu inventava uma história atrás da outra. Foi muita pressão em cima de mim.

PRISÃO DO GOLEIRO BRUNO

Bruno foi preso em 2010, junto com o amigo Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, ambos acusados de sequestrar e matar Eliza Samudio, ex-amante do então goleiro do Flamengo.

O goleiro Bruno chora durante seu julgamento em Minas Gerais. Ele foi condenado a 22 anos de prisão. Foto de 08/03/2013 – Divulgação / Tribunal de Justiça de Minas Gerais

No dia 8 de março do ano passado, o ex-jogador foi condenado pelos crimes de homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver, além de sequestro e cárcere privado de seu filho com a Eliza, Bruninho. Com isso, o ex-jogador foi condenado a 22 anos e três meses de prisão.

De acordo com a juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues, do Fórum de Contagem, em Minas Gerais, Bruno, a quem classificou de mandante do crime, demonstrou ser uma pessoa “fria, violenta e dissimulada”. O ex-goleiro não poderá recorrer em liberdade.

Por causa do benefício da progressão de regime, a tendência é que a partir de 2017 ele possa entrar com recurso para o regime semi-aberto, pois já cumpre pena há quatro anos na penitenciária Nelson Hungria, em Contagem.

O Globo

 

 

 

 

Deixe uma resposta
*