Você está lendo:
TECNOLOGIA: Brasil tem uma das redes mais lentas do mundo, em contraposição ao crescente número de usuários
0

TECNOLOGIA: Brasil tem uma das redes mais lentas do mundo, em contraposição ao crescente número de usuários

by newsmtmaio 6, 2015

Acesso à internet, mas com pouca velocidade.

No mês em que a internet comercial comemora 20 anos no Brasil, uma boa notícia: quase 160 milhões de pessoas já têm acesso à rede e esse número não para de crescer. Os investimentos para ampliar a velocidade da conexão, no entanto, não seguem o mesmo ritmo.

Com velocidade média de três megabits por segundo (Mbps), o país oferece uma das redes mais lentas do mundo. Na Coreia do Sul, por exemplo, a média é de 22,2 Mbps — uma internet seis vezes mais veloz do que a nossa.

Google Street View explora Parque Nacional Aparados da Serra
Você bota os óculos e vai para outro mundo: saiba como a realidade virtual vai entrar na sua vida

Acontece nos caminhos virtuais brasileiros algo bastante semelhante ao ocorrido nas rodovias nos últimos anos: aumento vertiginoso de tráfego. Mas em vez de carros, uma quantidade imensa de dispositivos móveis entraram no mercado.

Somente no ano passado, foram vendidos 54,5 milhões de smartphones, de acordo com a consultoria IDC. O investimento em infraestrutura da rede não tem acompanhado a demanda e o resultado é uma espécie de “engarrafamento virtual.”

Leia as últimas notícias de Tecnologia

Não à toa, o Brasil vem perdendo posições no ranking mundial que mede a velocidade média da internet nos países. Em 2014, ficamos em 89º lugar, seis posições abaixo do que em 2013. A velocidade média evoluiu 11% de um ano para o outro, em ritmo bem mais lento que a grande maioria dos países. Hoje, estamos atrás de vizinhos como Argentina, Uruguai e Chile e a léguas de distância de potências como Estados Unidos e Japão. Vários fatores dificultam os investimentos no Brasil.

Bebês com apenas seis meses já usam dispositivos móveis
Como os wearables podem revolucionar nossa vida

— Um dos principais é geográfico. Mesmo aportando montante semelhante de recursos que países europeus, as dificuldades são maiores porque a área de cobertura é enorme — afirma Eduardo Tude, da consultoria Teleco, se referindo ao tamanho continental do país.


Na América Latina, a maior média está no Chile, com quase cinco megabits por segundo de velocidade. Mas vale lembrar que, dos 16 milhões de habitantes, cerca de 13 milhões estão concentrados na capital, Santiago.

Leia as últimas notícias do dia

— Para chegar a determinados locais, é preciso ter viabilidade de negócio, tem de dar retorno para as empresas. Em algumas regiões, isso não ocorre e então é importante o incentivo do governo como o Plano Nacional de Banda Larga — afirma Tude.

Dólar e economia afetam expansão

Criado em 2010, o plano é uma iniciativa do governo federal para massificar o acesso à internet em banda larga no país, por via fixa e móvel, principalmente nas regiões mais carentes da tecnologia. Graças ao programa, na banda larga fixa o acesso tem aumentado, não só nos grandes centros, mas também no interior do país.

Novo método mostra como baterias usadas nos celulares explodem
Dilma sanciona lei para instalação de antenas de telefonia

A alta do dólar e a retração da economia, porém, reduziram os pedidos dos provedores de internet por fibra óptica, conta Reinaldo Jeronymo, diretor comercial da Prysmian, que fabrica cabos ópticos, voltados para a demanda de banda larga.

— Empresas com acesso ao programa Finame e ao cartão do BNDES, que não precisaram ir a bancos atrás de recursos, mantiveram as encomendas — ressalta Jeronymo.

As operadoras — que fornecem banda larga móvel — continuaram o ritmo de compras, afirma.

Mais do que uma oportunidade de mercado, os investimentos das empresas são necessários para cumprimento de metas de qualidade impostas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). No fim do mês de março, a agência reguladora determinou que as operadoras de telefonia móvel melhorem os indicadores de qualidade de rede em todos os municípios brasileiros. Em caso de descumprimentos, está prevista a aplicação de multas.

As operadoras terão de apresentar indicadores de acesso às redes de voz e dados — que medem a disponibilidade quando o usuário deseja realizar uma conexão — acima de 85%. Os indicadores de queda de voz e de dados, que medem a taxa de desconexões sem interferência do usuário, devem ser inferiores a 5%, informou a Anatel em comunicado.

Startup da Capital tenta fugir do “engarrafamento”


Foto: Luiz Armando Vaz, Agência RBS

A falta de conexão eficiente afeta usuários e negócios. A turma de jovens empreendedores da 8 Lab (foto acima) condiciona o horário de trabalho à qualidade da conexão. Depois das 18h nem adianta ficar no escritório. O acesso fica tão lento que se torna impossível programar.

Sediada na Raiar, incubadora de empresas startups da PUCRS, a equipe é responsável por criar o aplicativo Wigo, que utiliza informações em tempo real para otimizar a escolha das rotas, combinando todos os meios de transporte — ônibus, trem, catamarã, carro — e indicando os melhores trajetos, conforme a preferência ou a necessidade do usuário.

A ferramenta é desenvolvida com base no conceito de crowdsourcing, ou seja, na medida em que os usuários vão interagindo e abastecendo o Wigo de informações, ele se torna mais eficaz. Aí os empreendedores encontram outra dificuldade: os usuários também precisam ter uma boa conexão para conseguir fazer download do aplicativo.

— No final da tarde, quando começa o maior tráfego de usuários, fica impossível. Chega a ser engraçado, mas ao mesmo horário que algumas avenidas da cidade estão congestionadas pelo tráfego intenso de carros, também fica complicado utilizar a linha pelo mesmo problema — conta Flávio Pereira, um dos quatro fundadores da empresa.

Banda larga será oferecida a 95% da população até 2018, promete governo

Impulsionada pelo Programa Nacional de Banda Larga (PNBL), a internet de alta velocidade no Brasil cresceu 44% nos últimos 12 meses e alcançou a marca de 203 milhões de acessos em fevereiro passado, conforme informações divulgadas pela Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil). Desse total, 178,4 milhões foram via redes móveis, avanço de 50%, na comparação com fevereiro de 2014.  A banda larga fixa, que permite conexões mais rápidas do que a rede móvel, registrou 24,5 milhões de acessos, 9% a mais do que um ano antes.

Ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini promete conexão de banda larga para 95% da população brasileira até 2018. Em audiência pública na Câmara na semana passada, Berzoini falou sobre os investimentos para ampliação dos serviços 3G e 4G de telefonia celular. Segundo ele, as duas tecnologias mantêm crescimento “vertiginoso” e, por isso, as empresas ainda têm metas a cumprir:

— Temos queixas constantes quanto ao serviço. A Anatel tem o trabalho de fiscalizar e de aplicar as multas. Temos buscado formas de fazer com que essas multas alavanquem a qualidade do serviço.

Fonte: Cadu Caldas

 

About The Author
newsmt

Tem algo a dizer sobre essa matéria?